Páginas

segunda-feira, 24 de julho de 2017

CONTROLE INFORMÁTICA - ORGULHO DE NOVA CRUZ E REGIÃO AGRESTE POTIGUAR!


Controle Informática


MISSÃO

Oferecer o melhor em produtos e serviços para micro e pequenas empresas na área administrativa e de Automação Comercial, com qualidade, eficiência e segurança.

VISÃO

Ser referência em automação comercial, no atendimento de micro e pequenas empresas, sempre voltada na qualidade e ótimo atendimento.

VALORES

São base para nossa estratégia de negócio:
Cliente: Reconhecer no cliente que ele é nosso bem maior, respeitando e mantendo sempre o foco no cliente.
Trabalho em equipe: Trabalhamos todos focados na inovação tecnológica e no melhor atendimento ao nosso cliente, nos preocupando sempre com o ambiente de trabalho, buscando e oferecendo aos colaboradores o respeito e a satisfação para que se sintam bem e reconhecidos.
Respeito: Integridade e transparência.
Inovação: Analisar constantemente nossos produtos pela satisfação e reconhecimento de nossos clientes, buscando atingir suas expectativas e aperfeiçoando nossos produtos e serviços, através da pesquisa e estudo de novas tecnologias.
" Profissionalismo, pontualidade e compromisso com sua cidade (Nova Cruz/RN) e Regiões do Agreste Potiguar e Paraíba." - Eduardo Vasconcelos - Presidente do Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN.

Marcha em SP marca luta pelos direitos das Mulheres Negras

Na próxima terça (25), é o dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha. Em São Paulo, uma Marcha acontecerá às 17h na Praça Roosevelt para marcar a data e denunciar, segundo a apresentação do evento (aqui) no Facebook, “o racismo, o machismo, a LGBTfobia, o genocídio, o golpe e as reformas previdenciária e trabalhista do governo golpista que retiram direitos de todos os trabalhadores e em especial de nós mulheres negras”.
Outras questões são relacionadas entre as pautas do ato de amanhã (25) em São Paulo, “denunciar o massacre que a prefeitura de São Paulo tem feito contra a população pobre, preta e periférica de nossa cidade, contra o fechamento dos centros de enfrentamento ao racismo e à violência contra as mulheres e a política higienista na Cracolândia”, complementa a apresentação nas redes sociais.
Segundo o IBGE, a população negra em nosso país representa mais da metade dos brasileiros, são 54%. Se computarmos também as populações da América Latina e do Caribe, são 200 milhões de afrodescendentes, de acordo com a Associação Mujeres Afro.
Analisando alguns números detectamos quão alarmante é a situação, no Brasil, também de acordo com o IBGE, três em cada quatro pessoas em situação de pobreza são pessoas negras. No nosso continente, a ONU aponta que dos 25 países com maiores índices de feminicídio do mundo, 15 estão na América Latina ou no Caribe. O Mapa da violência de 2016, demonstra que os homicídios de mulheres negras aumentaram 54% em dez anos no Brasil, passando de 1.864, em 2003, para 2.875, em 2013. No mercado de trabalho as diferenças também são abismais. No Brasil, mulheres brancas recebem 70% a mais do que negras, segundo a pesquisa Mulheres e Trabalho, do IPEA.
A data foi escolhida por ter sido reconhecido pela ONU em 1992, o Dia da Mulher Negra Latina e Caribenha, justamente em um dia 25 de julho. No Brasil, país que ostenta o maior índice de feminicídios na América Latina, a presidenta Dilma Rousseff instituiu, desde 2014, no mesmo 25 de julho, o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra – em homenagem à líder quilombola que viveu no século 18 e que foi morta em uma emboscada.
Segundo a dirigente feminista da UJS, Maria das Neves, “em um momento que avança a onda conservadora e a retirada de direitos no Brasil, as mulheres negras são as maiores afetadas, com a Reforma Trabalhista e da Previdência já compõe hoje a base da piramide social, recebendo os menores salários ou trabalhando na informalidade. Portanto amanhã a Marcha será para reafirmar o “Fora Temer”, as “Diretas Já”, mas também para pedir o fim do genocídio da juventude negra, o fim do genocídio das mulheres negras. Então, as mulheres negras que realizaram a primeira Marcha das Mulheres Negras em 2015, voltarão a ocupar as ruas do Brasil para dizer que nós queremos a retomada da democracia porque só nela teremos condições de aprofundar a conquista de mais direitos e garantir o fim das violências”, e Maria continua, “as mulheres negras sofrem com o machismo e o racismo, e essa dupla opressão faz com que amplie a nossa vulnerabilidade, portanto amanhã, a passeata é pra mostrar a nossa unidade, a força desse movimento que cresce em todo país.”
Para Renata Rosa, presidenta da UJS-SP, “Essa é uma data de resistência muito importante, hoje as mulheres negras são maioria em nosso país, e historicamente são exploradas e sofrem em maior medida os impactos do sistema capitalista. Temos avançado muito na luta em defesa dos nossos direitos em que pese a conjuntura adversa que temos vivido. Ampliemos  a luta e usemos nossa força e resistência que vem desde nossos ancestrais! Venceremos”.
UJS

VÍDEO: UNICAMP APROVA SISTEMA DE COTAS

A partir do vestibular de 2019, 50% dos estudantes devem ser oriundos da rede pública
A Unicamp (Universidade de Campinas) viveu dois dias históricos  nos últimos dias 29 e 30 de maio. No dia 30 foi aprovada a implementação de cotas no acesso à universidades, após quase 6 horas de debate e votação no Conselho Universitário, o Consu, órgão deliberativo da universidade. Com isso, a partir do vestibular de 2019, conforme o texto aprovado na reunião, 50% dos estudantes devem ser oriundos da rede pública, sendo que a meta deve ser que 37,5% devem ser de autodeclarados pretos, pardos e indígenas. O texto foi aprovado em unanimidade pelos 59 integrantes.
Um dia antes o Festival por Cotas realizou uma série de atividades como debates e apresentações culturais para mobilizar a votação.
A equipe de comunicação da UEE-SP e da UNE registrou os dias históricos em vídeo. Confira:
Fonte: UNE

domingo, 23 de julho de 2017

Começa oficialmente a disputa pela Direção da ADUERN

(Da esquerda para Direita), Denys Tavares, candidato à presidência na chapa UNIDOS PELA ADUERN e Rivânia Moura, candidata à presidência pela chapa SINDICATO É PRA LUTAR
Foram homologadas, na manhã de sexta-feira (21), as duas candidaturas que disputarão as eleições para a Direção da ADUERN no biênio 2017-2019. Representantes das chapas estiveram no sindicato onde se reuniram com a comissão eleitoral do pleito e receberam informações sobre o processo. A campanha jé foi autorizada e deverá ser realizada em consonância com as regras previamente divulgadas. 
A comissão homologou a chapa SINDICATO É PRA LUTAR, encabeçada pela professora Rivânia Moura, que é lotada na Faculdade de Serviço Social (FASSO), que também tem Alexsandro Donato – Vice-presidente; Márcia Maria Alves – Secretária; Ciclene Alves – Secretária Adjunta; Valdomiro Morais – Tesoureiro; Zacarias Marinho – Tesoureiro Adjunto; Ana Lúcia Gomes – Cultura, esporte e Lazer; Verônica Aragão – adjunta Cultura, esporte e Lazer; Felipe Caetano Oliveira – Diretor Aposentados; Taniamá Vieira – Diretora Adjunta de Aposentados.
Também foi homologada a chapa UNIDOS PELA ADUERN, que terá como candidato à presidência o professor Denys Tavares de Freitas, docente da Faculdade de Direito (FAD).  A chapa é composta também por Mademerson Costa – Vice-presidente; Antonia Liria Nogueira – Secretária; Lucirene Lopes – Secretária Adjunta; Janderson Dantas – Tesoureiro; Isac Nogueira- Tesoureiro Adjunto; Leonardo Rolim – Cultura, esporte e Lazer; Isaac Oliveira Filho – adjunto Cultura, esporte e Lazer; Luzinete Cabral – Diretora de Aposentados e Antonio Gomes Diretor adjunto de Aposentados
A comissão eleitoral informou que na segunda-feira (24)  realizará nova reunião com as chapas para determinar o calendário de visitas aos campi e apresentar a proposta de debate. Outro informe importante dado foi de que a partir de agora toda a comunicação entre os pleiteantes e a comissão deverá se dar através do email comissaoeleitoraladuern2017@gmail.com .
As eleições para a Diretoria da ADUERN no biênio 2017-2019 serão realizadas no dia 16 de agosto. As urnas para votação estarão dispostas em Mossoró e nos Campi de Assu, Caicó, Patu, Pau dos Ferros e Natal, funcionando as mesas receptoras de votos nos seguintes locais: em Mossoró, na sede da ADUERN, em Patu, Assu, Caicó, Pau dos Ferros e Natal, nas respectivas unidades locais da UERN.
Fonte: ADUERN
Adaptado por Eduardo Vasconcelos - Assessor da ANE/RN

Porto Alegre debate ameaças à Educação Pública e perspectivas sindicais em Encontro Nacional do PROIFES

Entre os dias 26 e 29 de julho, Porto Alegre (RS) será palco da instância máxima deliberativa do PROIFES-Federação. Delegados e observadores, representando os sindicatos federados de todas as regiões do país, estarão reunidos em torno da discussão dos principais temas de interesse e reivindicações dos professores das universidades e institutos federais.

Durante os quatro dias de evento, num espaço já consolidado para o debate de ideias e deliberações, professores federais discutirão a conjuntura nacional, as perspectivas do movimento sindical brasileiro, os desafios do movimento docente, o futuro do Plano Nacional de Educação e do Fórum Nacional de Educação, as Carreiras Docentes do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, campanha salarial, assuntos de aposentadoria; o Financiamento da Educação, entre outros temas.

Para o presidente do ADURN-Sindicato, Wellington Duarte, o Encontro Nacional já se consolidou como um momento para importantes deliberações de estratégias para atuação política e fortalecimento do movimento sindical. “Foi neste espaço que, ao longo de nossa organização por um novo movimento docente, aprovamos a transformação do PROIFES Fórum em Federação, debatemos o nosso modelo de organização e a estrutura do Estatuto, por exemplo”, afirmou o dirigente.

A edição deste ano terá duas discussões centrais: os impactos das reformas do Estado na educação brasileira e as ações do PROIFES-Federação para combater as medidas do Governo que fragilizam os trabalhadores.
Em sua 13ª edição, o Encontro será realizado em um momento de crise política e de ameaças à Educação Pública e será importante para reposicionar a Federação na atual quadra política. “É o momento de reafirmamos que nossa defesa foi e é a da Democracia. Ao mesmo tempo acho que o cenário se torna mais complexo e os dirigentes e a categoria terão uma tarefa árdua pela frente, garantir nossos ganhos e fazer voltar a democracia”, pontuou Wellington Duarte.

A expectativa é de que as discussões promovam uma reflexão coletiva e acúmulo do conhecimento do modelo de organização da Federação.

Delegação do Rio Grande do Norte

Em votação eletrônica, 5 e 16 de junho, os professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte elegeram os delegados ao XIII Encontro Nacional do PROIFES-Federação.

Com o registro de 406 votos, foram eleitos os professores Daniel Dantas Lemos ( Departamento de Comunicação Social), Darlio Inácio Alves Texeira (Escola Agrícola de Jundiaí), Dirceu Ribeiro de Faria (aposentado), Edna Maria da Silva (Núcleo de Educação Infantil), Isaura de frança (Núcleo de Educação Infantil), Jacira Maria Andrade de Sousa (departamento de Bioquímica), João Bosco Araújo da Costa (departamento de Ciências Sociais), Oswaldo Gomes Correia Negrão (departamento de Saúde Coletiva), Ruthineia Alves de lins(departamento de Odontologia).

sábado, 22 de julho de 2017

FASUBRA: Os ventos que trazem agosto


Para resistir na luta, A FASUBRA Sindical convoca os trabalhadores técnico-administrativos em educação para engrossar as fileiras de mobilização no dia 02 de agosto

O Congresso Nacional está em recesso, porém, a ansiedade paira no funcionalismo público. Os ventos que trazem o mês de agosto são de uma batalha não acabada. A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018 foi enviada para sanção presidencial, elaborada dentro do Novo Regime Fiscal (NRF), após a sanção da Emenda Constitucional n º95/16, que reduz investimentos em políticas públicas.

O Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 1/2017, que prevê diretriz e metas orçamentárias da administração pública, fecha o quinto ano consecutivo com as contas públicas no vermelho. O déficit primário é de R$ 131, 3 bilhões para 2018.

O parecer aprovado proíbe a concessão de reajustes salariais posteriores ao término do mandato presidencial e restringe as admissões de novos servidores públicos. A posse de novos servidores ocorrerá apenas para reposição (total ou parcial) de vagas surgidas entre 15 de dezembro de 2016 (data em que entrou em vigor do Novo Regime Fiscal) e 31 de dezembro de 2017; para substituição de pessoal terceirizado; para as Forças Armadas; e para cargos custeados pelo Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) — toda a área de segurança local.

Contingenciamento
O governo não descarta a possibilidade de suspender a liberação de R$ 4 bilhões para órgãos públicos, atingindo diretamente a prestação de serviços públicos. Atualmente, o contingenciamento do governo tem estrangulado o funcionamento em muitos órgãos, como é o caso das instituições públicas de ensino, que sofreram corte de 45%. De acordo com a FASUBRA, a redução orçamentária inviabiliza o funcionamento das universidades a partir de setembro.

Aumento de impostos
Rodrigo Maia, presidente da câmara dos Deputados sinalizou que a única alternativa para fechar as contas é o aumento de impostos.

Reforma da Previdência
A Reforma da Previdência em pauta no plenário da Câmara continua na mira do governo, para ser votada até o fim de agosto. Maia avisou que a Medida Provisória com pontos polêmicos da reforma trabalhista, como o trabalho intermitente e alternativas ao imposto sindical, será derrotada na Casa.

Reforma trabalhista
Em entrevista à Folha de São Paulo, o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury criticou a falta de debate da matéria no Congresso e disse que o Brasil ainda tem uma cultura escravocrata. Segundo Fleury, a reforma beneficia maus empregadores e institucionaliza fraudes praticadas. A melhoria da fiscalização poderia reduzir os processos trabalhistas, e talvez nem precisasse da Justiça do Trabalho, afirmou o procurador.

Após a sanção da matéria, bancos reabriram programas de demissão voluntária como a Caixa (5 mil vagas para corte), o Banco do Nordeste e Bradesco.  

Demissão de servidores públicos
No Senado Federal, tramitam duas propostas para o serviço público. O Projeto de Lei do Senado nº 200/2017, que torna automática a perda da função do agente público condenado por corrupção. Para o autor da matéria, senador Cristovam Buarque (PPS/DF), a intenção é corrigir a falha no ordenamento e por fim a situações constantemente noticiadas nos veículos de comunicação, em que agentes públicos, inclusive políticos, se valem dos cargos e funções ocupadas para enriquecerem ilicitamente em detrimento da administração pública e, quando finalmente são condenados, continuam fazendo jus aos vencimentos mensais.

Já o Projeto de Lei nº 116/2017 prevê a demissão de servidores públicos concursados, inclusive dos que já passaram e foram aprovados em estágio probatório. De autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM/SE), o texto prevê que servidores públicos de todo o país devem passar por uma avaliação de desempenho semestral.

Os que receberam nota inferior a 30% em quatro avaliações consecutivas serão exonerados, independente da estabilidade. Também perderão o cargo aqueles que tiverem desempenho inferior a 50% nas últimas dez avaliações. O Servidor será avaliado pelo chefe imediato, indicado politicamente, sem concurso público.

O projeto deve receber decisão terminativa na Comissão de Assuntos Sociais. Caso seja aprovado segue direto para a Câmara.

Campanha Salarial
Para resistir na luta, A FASUBRA Sindical convoca os trabalhadores técnico-administrativos em educação para engrossar as fileiras de mobilização no dia 02 de agosto, Dia Nacional de Luta em defesa das instituições de ensino públicas, e por abertura de negociações. No mesmo dia acontece a apreciação pelo Plenário da Câmara dos Deputados de novas denúncias contra Temer, apresentadas pela Procuradoria Geral da República (PGR), que podem resultar no afastamento de Temer da presidência.

Também será desenvolvida pressão sobre os parlamentares nos aeroportos no dia 1º de agosto, como parte do processo de pressão e de construção de manifestações.

Pauta específica
*Inflação do período de 2015 a 2017, mais 2% de aumento real no piso da carreira.
*Reajuste dos benefícios com o mesmo índice, com diferencial para o Plano de Saúde no qual queremos um reajuste que acompanhe os reajustes da Agência Nacional de Saúde (ANS).
*Não ao corte de recursos no orçamento destinados à educação e recomposição das perdas do último período.
*Nenhuma interferência do governo e órgãos de controle em ações judiciais ganhas pelos trabalhadores.
* Nomeação imediata dos reitores eleitos pela comunidade universitária.
* Contra a Lei da Mordaça e a Reforma do Ensino médio.

Com informações: Agência Senado

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

ADURN: Papel do Sindicato é apresentado a novos docentes no Curso de Atualização Pedagógica

Na última quarta-feira, 19, o presidente do ADURN-Sindicato, Wellington Duarte, participou do Curso de Atualização Pedagógica da UFRN, oferecido por meio do Programa de Atualização Pedagógica – PAP.

Durante sua palestra, Wellington Duarte apresentou aos novos docentes o papel da Entidade, a sua participação na vida acadêmica e política da Universidade e seu papel na atual conjuntura nacional de crise política e econômica e de ameaças trabalhistas e à Educação Pública. Na oportunidade, o dirigente reafirmou o compromisso do Sindicato com a luta da categoria docente, a valorização da Carreira e por uma universidade democrática, gratuita e de qualidade.
Neste semestre, a capacitação acontece no auditório do prédio do Metrópole Digital, campus central da UFRN.

PAP

O Programa de Atualização Pedagógica – PAP é uma ação da Pró-Reitoria de Graduação – PROGRAD, desenvolvida com apoio da Pró-Reitora de Gestão de Pessoas– PROGESP, destinada a formação continuada com vistas ao desenvolvimento e melhoria da qualidade do ensino de graduação na Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Para isso, o PAP consiste na oferta de (mini) cursos, seminários, palestras e oficinas para professores e, a partir de 2012, também para servidores de ensino superior que desenvolvem assessoria pedagógica nos cursos de graduação.
A capacitação é obrigatória para todos os professores em estágio probatório que ainda não cumpriram ao disposto na Resolução no 083/2006 do CONSEPE, Art.8o.

De caráter acadêmico-administrativo, o Curso de Atualização Pedagógica visa atualizar, sistematicamente, o corpo docente institucional, de forma que ele possa acompanhar as mudanças que impactam sua prática de ensino e, assim, atuar no mundo acadêmico de forma mais eficiente e eficaz.

ADURN

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Mudanças no Fies podem desestimular participação no programa


Medida provisória anunciada pelo governo no início no mês prevê que o valor do empréstimo seja descontado na folha de pagamento do estudante recém formado.
por Renata Bars.
As alterações no Fies pegaram de surpresa quem pretende utilizar o programa para cursar uma universidade. Anunciadas pelo governo no último dia 6 de julho, as novas regras valerão para os contratos de estudantes a partir de 2018, caso sejam aprovadas no Congresso Nacional. Uma das principais alterações é em relação ao pagamento do empréstimo, que agora será descontado em folha. Depois de concluírem o curso e conseguirem emprego, os beneficiados pelo Fies sofrerão os descontos diretamente no salário.
Para a presidenta da UNE, Marianna Dias, a medida pode desestimular os estudantes a buscarem o Fies e consequentemente uma vaga no ensino superior. ”O desconto em folha obrigatório é muito ruim, pois é nesta fase que o estudante recém formado está se estabelecendo no mercado de trabalho e enfrentando uma série de dificuldades sobretudo financeiras”, avaliou.
As novas regras do Fies preveem ainda três tipos de contrato. O Fies 1 será para estudantes com renda per capita familiar de até três salários mínimos, sem cobrança de juros.
Fies 2 vai oferecer 150 mil vagas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste para estudantes com renda familiar per capita de até cinco salários mínimos, com juros de até 3% ao ano, mais correção da inflação, para alunos que tiverem crédito aprovado em banco.
Já o Fies 3 terá como fontes de recursos o BNDES e os fundos regionais de desenvolvimento das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, com juros baixos, também para estudantes com renda familiar per capita mensal de até cinco salários mínimos. O risco de crédito também será dos bancos.

ALTERAÇÕES NA MP

O deputado Orlando Silva (PcdoB-SP), apresentou nesta semana diversas emendas à Medida Provisória anunciada para alterar as normas do Fies. Entre as mudanças solicitadas pelo parlamentar está a carência de um ano para o início do pagamento do empréstimo.
Atualmente, os estudantes começam a pagar as parcelas do financiamento somente após um ano e meio da conclusão do curso. A nova regra, no entanto, determina o início de pagamento imediato após a conclusão.
Orlando solicitou um prazo de carência de 12 meses contados a partir do mês imediatamente subsequente ao da conclusão do curso para o início do pagamento do financiamento.
“Neste intervalo de um ano, as pessoas podem se planejar melhor para fazer o pagamento do Fies sem comprometer a sua renda e adquirir novas dívidas”, disse.
Em relação à nova regra que autoriza o desconto automático na folha de pagamento, após o estudante terminar o curso e conseguir emprego formal, o deputado também pede mudanças. A proposta prevê somente para a modalidade Fies 1 – Fundo Garantidor o limite de desconto de 10% da renda, a ser definido em regulamento. A solicitação é de que o limite de 10% também seja válido para as demais modalidades, Fies 2 e Fies 3. O objetivo, segundo o deputado, é garantir que haja um limite para o endividamento do estudante trabalhador, sem comprometer sua vida financeira logo após a formação.
Fonte: UNE

UBES laça campanha pelas Diretas Já! Fora Temer!

É com muita preocupação que a UBES vê a crise política que toma conta da conjuntura nacional. Mas é com coragem que olhamos para a história do nosso povo. Confiando no protagonismo da juventude e na luta por democracia que faz parte do DNA da UBES, convocamos todas e todos secundaristas a se engajarem na campanha pelas #DiretasJá!
Queremos incentivar quem tem 16 anos e ainda não fez o título de eleitor a exercer sua cidadania e engajar-se na vida política do país.
Apenas com título de eleitor em mãos e eleições diretas imediatas poderemos superar a grave crise institucional que impede a soberania nacional. Querem rasgar a CLT, a carteira de trabalho e os nossos direitos. Tirem a mão do meu título de eleitor!
A Diretas Já! retoma bandeiras históricas dos estudantes brasileiros, que já realizaram campanhas com o mesmo mote nos anos 1980, quando o Brasil saía sufocado de uma ditadura militar que nos assombrou por mais de 20 anos. O direito ao voto é uma conquista dos jovens e não desistiremos do espaço democrático.
“Nosso passado pode trazer soluções para o presente. A luta por democracia faz parte da história dos secundaristas. Continuamos do lado certo da história”, afirma a presidenta da UBES, Camila Lanes. Seguiremos nas ruas. Vamos juntos!
UBES

quarta-feira, 19 de julho de 2017

A resistência em defesa da UNILA e da integração latino-americana

unila resiste

Criada através de um projeto de lei, aprovado por unanimidade no Congresso Nacional e sancionada pelo então presidente Luís Inácio Lula da Silva, a Universidade Federal da Integração Latino-Americana, UNILA, representava um avanço e um marco dentro de um continente que caminhava para o fortalecimento da integração entre os países da região. E não a toa foi instalada em uma cidade com forte característica de integração, a cidade brasileira de Foz de Iguaçu, que faz fronteira com a Argentina e o Paraguai.
Atualmente a UNILA conta com 29 cursos de graduação e 11 cursos de pós-graduação, frequentados por estudantes de 19 países da América Latina (Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela).
Como decorrência do processo que o país, e o continente, atravessam de forte ataque conservador e neoliberal, o projeto de integração passa também a ser alvo da direita latino-americana. Esse avanço sobre a soberania do continente, neste caso simbolizada pelo ataque à UNILA, vem em forma de uma emenda aditiva à MP 785/17 proposta pelo Deputado Federal Sérgio Souza (PMDB/PR), parlamentar que teve seu nome envolvido no escândalo investigado pela operação “Carne Fraca”.
A proposta seria a criação da UFOPR (Universidade Federal do Oeste do Paraná) e, por consequência, a extinção da Universidade Federal da Integração Latinoamericana. Na opinião da uruguaia Besna Yacovenco, que atualmente cursa o mestrado na UNILA, a emenda que “fere a educação, além de desconstruir direitos conquistados pelos estudantes, fere a autonomia de duas universidades, a própria UNILA, e a Federal do Paraná”. Besna explica que no caso da Federal a emenda propõe a retirada de dois campus para a criação da nova universidade “e para a criação dessa nova universidade seria necessário também extinguir a UNILA, evidentemente a gente tem aqui um ataque por parte de um setor da sociedade, dos empresários, à UNILA, porque estão propondo destruir um projeto de Estado que foi aprovado no Congresso Nacional por unanimidade”.
O ataque à UNILA não acontece de forma isolada, estamos assistindo a um verdadeiro pacote de ações que atentam contra a educação superior do país, tivemos recentemente o fim da destinação de 50% dos recursos do Fundo Social e de 75% dos royalties do petróleo para a educação, o fim do programa Ciências Sem Fronteira, a retirada de 25% do orçamento federal da educação através do retorno da DRU – Desvinculação de Receitas da União e a própria MP 785/17, que prevê o desmonte do FIES.
Ainda de acordo com Besna, a proposta é que no lugar da UNILA, “seja criada uma nova Universidade, que atenda exclusivamente os interesses do capital privado, o interesse dos empresários do agronegócio do Oeste do Paraná”, e continua, “evidentemente a visão que esse senhor tem de Universidade é restrita porque a Universidade tem que criar conhecimento e tecnologias para o conjunto da sociedade, não só para um setor privilegiado da sociedade”. Para Talita Monção, também estudante da Universidade, “a UNILA é única no que concerne ao cerne de sua proposta, visto que é a produção do conhecimento científico latino-americano a partir do ponto de vista dos próprios latino-americanos e não mais do colonizador, isso a coloca numa dimensão emancipatória gigante. A UNILA é um sonho com capacidade de realizar vários outros sonhos, inclusive o de transformar a América Latina”.
Em declaração exclusiva para o site da UJS, o Reitor da UNILA, professor Gustavo Vieira, declarou que “em primeiro lugar o processo civilizatório marcha em direção da integração e está em cheque o papel que o Brasil quer desempenhar na integração latino-americana, que não se faz só com documentos assinados em papel, ou comércio internacional, também se faz com saberes, também se faz com integração de povos. A UNILA é um exemplo e uma inovação universitária nesse sentido. Não está apenas em cheque o interesse em uma perspectiva latino-americana e solidária, que evidentemente é  o grande núcleo desse projeto, mas o próprio papel do Brasil e da região, então o entendimento que uma Universidade Federal sem esse caráter, desempenharia um melhor papel para o desenvolvimento regional nos parece claramente equivocado”. E para finalizar o Reitor apontou que para o desmonte da UNILA ser evitado seria necessário a “sociedade se manifestar e é isso que nós estamos tentando fazer com a petição pública que está no site da UNILA (aqui), nós já passamos de 12 mil assinaturas e todo apoio é bem vindo”.
Por Thiago Cassis

Manual de Diversidade no Jornalismo

Por Énois - Inteligência Jovem
A imprensa no Brasil nasceu das mãos de D. João VI pra registrar o que acontecia na colônia e, desde então, continuou nas mãos de quem tinha mais poder aquisitivo. E isso rende problemas até hoje, como a falta de diversidade nas redações, no público-alvo, nos processos seletivos, na chefia, nas fontes procuradas e até mesmo na linguagem utilizada pra falar de tudo isso.
Esse manual é um guia aberto e não definitivo pra uma prática jornalística mais consciente. Ele foi criado de maneira colaborativa por um grupo de jornalistas do centro e das periferias num debate sobre como ocupar a imprensa tradicional com pautas mais diversas. Tudo isso pra que as redações reflitam sobre a diversidade de pontos de vista que existem no nosso país. E, se o jornalismo quer falar sobre o mundo real, nada melhor do que colocar o mundo real pra dentro da imprensa.
Acesse o manual completo aqui.
Fonte: http://observatoriodaimprensa.com.br/

segunda-feira, 17 de julho de 2017

PARELHAS/RN: IV FESTIVAL DE QUADRILHAS "ARRAIÁ ZEEZIM MEU VÉI" FOI MARAVILHOSO!

A Baronesa - 32,5 - Lagoa Nova/RN foi quem abriu o festival
 Público se fez presente
MESA JULGADORA
O Presidente do Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN, Eduardo Vasconcelos, prestigiou o IV Festival de Quadrilhas "Arraiá Zeezim Meu Véi", ocorrido ontem (16) em Parelhas. O convite foi feito pela Associação Brasileirinhos Sensação Nordestina - ABSN, através de sua presidente, Maria de Lourdes.
Centenas de pessoas foram prestigiar o evento. O prefeito de Parelhas/RN, Alexandre Petronilo se fez presente.
VEJA A CLASSIFICAÇÃO FINAL
Classificação Geral IV Festival de Quadrilhas Arraiá Zeezim meu Véi. Realizado ontem (16) em Parelhas/RN.
1. Nação Junina - 48,3 - Jucurutu/RN
2. Matutina Potiguar - 47,6 - Santo Antônio Salto da Onça/RN
3. A Nordestina - 46,5 - Florânia/RN - (desempate com nota da rainha)
4. Paixão Junina - 46,5 - Cuité/PB
5. Estrela do Sertão - 45,5 - Macau/RN
6. Chamego Medonho - 44,1 - Esperança/PB
7. Rosa dos Ventos - 41,7 - Junco do Seridó/PB
8. A Baronesa - 32,5 - Lagoa Nova/RN

Atenção: Amanhã divulgaremos as fotos dos classificados, pois ainda estão sendo editadas.