Páginas

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

OS SONHOS DA JUVENTUDE EM UMA ÚNICA JORNADA


Diversidade marca ato preparatório para Jornada de Lutas em março
Sessenta e sete milhões: o que esse número representa? A população civil da União Europeia possui 67 milhões de armas; no Brasil, 67 milhões de pessoas têm acesso a internet; 67 milhões de reais foi o investimento da Petrobrás para projetos culturais no ano passado de 2012. Um número que pode representar muito para alguns ou pouca coisa para outros.
Na tarde desse último sábado (23), no Sindicato dos Químicos em São Paulo, 67 milhões foi um número central, o foco de um importante encontro para debater o futuro do Brasil, seus avanços e transformações sociais.
Sessenta e sete milhões é, atualmente, a totalidade de jovens no Brasil, 2/3 da população economicamente ativa, uma parcela decisiva dos brasileiros que  será responsável pelos rumos da nação nas próximas décadas. A juventude brasileira esteve representada no encontro, um ato preparatório para a Jornada de Lutas unificada, que será realizada em março e abril, por diversos movimentos.
Mais de duzentas pessoas, jovens vindos de movimentos ligados à educação, juventude, cultura, esporte, trabalho, gênero, questão racial, transporte e direito à terra no Brasil compareceram à reunião. Para a União Nacional dos Estudantes, uma das organizadoras, esse é um momento inédito pois, pela primeira vez, haverá uma coalização de forças juvenis para consolidar as principais bandeiras e reivindicações dos jovens brasileiros.
Para entender a atual situação brasileira no cenário econômico, social, político e cultural e, dessa maneira, tentar sincronizar os desafios da juventude nesses diferentes setores, houve uma grande análise de conjuntura pela parte da manhã. Participaram da discussão Felipe Altenfelder, do coletivo Fora do Eixo; Alfredo Júnior, da Juventude CUT; Raul Amorim, do MST; Daniel Iliescu, presidente da UNE; Manuela Braga, presidente da UBES; Carla Bueno, do movimento Levante Popular da Juventude; e Maria Júlia, da Marcha Mundial das Mulheres.
JUVENTUDE UNIFICADA NAS RUAS DO BRASIL
Houve consonância de que é preciso uma verdadeira mudança nas questões que tangem a juventude e, para isso, é preciso que os movimentos se unifiquem e saiam às ruas reivindicando melhorias estruturais. A conversa foi bastante ampla pois cada debatedor conseguiu expor as dificuldades da área específica da qual representa.
UNE
Alfredo Santos Jr, da Juventude da CUT, fez uma grande análise a respeito da conjuntura política atual. “Nós não conseguimos, na correlação de forças da sociedade, nos apropriar dos avanços do governo”, pontuou.
Felipe Altenfelder, do Fora do Eixo, falou de um outro ponto pouco explorado nos movimentos sociais: a importância da construção de narrativas através das tecnologias digitais amplamente acessíveis. “Desse jeito, é possível fazer uma importante disputa simbólica. Temos que nos apropriar de todos os meios”, analisou.
Já Maria Júlia, da Marcha Mundial das Mulheres, trouxe a questão do machismo como um fator importantíssimo a ser considerado na luta de hoje. “Nossa batalha deve sempre conter uma perspectiva feminista”,  acrescentou.
Daniel Iliescu, presidente da UNE, fez uma fala agregando todos os movimentos presentes. “Esse é um momento histórico, um marco importante da juventude brasileira. Esse novo tempo é tempo de ampliar a nossa voz. Até quando nos vamos nos conformar? Até quando vamos ficar calados diante de um governo que não tem projeto contra a desnacionalização? A educação é prioridade nos discursos, mas não se reflete no orçamento do país. Um novo caminho trilhado pelas mudanças começou!”, sinalizou.
MOBILIZAÇÕES PARA O MÊS DE MARÇO
A parte da tarde foi dedicada aos estados que estão organizando suas respectivas Jornadas de Lutas. Foram planejadas, de forma bastante aprofundada, as manifestações em cada canto do Brasil. Todas as informações a respeito das Jornadas de Lutas estaduais serão divulgadas mais para frente através do site oficial do movimento.
CARTA APROVADA
Ao fim do encontro, uma carta com a participação de todos os movimentos presentes foi aclamada publicamente. Ela é a tônica para as próximas batalhas que serão travadas.
Leia abaixo:
Unir a Juventude Brasileira: “Se o presente é de luta, o futuro nos pertence”! Che Guevara
As entidades estudantis, as juventudes do movimento social, dos trabalhadores/as, da cidade, do campo, as feministas, as juventudes partidárias, religiosas, LGBT, dos coletivos de cultura e das periferias se unem por um ideal: avançar nas mudanças e conquistar mais direitos para juventude.
É preciso denunciar o extermínio da juventude negra e das periferias a quem o estado só se apresenta através da violência. O mesmo abandono se dá no campo, que alimenta a cidade e segue órfão da Reforma Agrária e dos investimentos necessários à permanência da juventude no campo, de onde é expulsa devido à concentração de terras, à ausência de políticas de convívio com o semiárido. Já na cidade, a juventude encontra a poluição, a precarização no trabalho, a
ausência do direito de organização sindical, os mais baixos salários e o desemprego, fatores ainda mais graves no que diz respeito às jovens trabalhadoras.

Essa é a dura realidade da maioria da População Economicamente Ativa no país, e não as mentiras da imprensa oligopolizada, que foi parceira da ideologia do milagre brasileiro e cúmplice da ditadura, ao encobrir torturas e assassinatos e sendo beneficiária da monopolização ainda vigente. É coerente que ela se oponha à verdade e à justiça, que se cale ante as torturas e ao extermínio dos pobres e negros dos dias de hoje, que busque confundir e dopar a juventude,
envenenando a política, vendendo-nos inutilidades, reproduzindo os valores da violência, da homofobia, do machismo e da intolerância religiosa. mas eles não falam mais sozinhos: estamos aqui pra fazer barulho.

Queremos cidades mais humanas em vez de racismo, violência e intolerância. Queremos as garantias de um estado laico, democrático, inclusivo, que respeite os Direitos Humanos fundamentais, inclusive aos nossos corpos, à liberdade de orientação sexual e à identidade de gênero, num ambiente de liberdade religiosa.
Queremos reformas estruturais que garantam um projeto de desenvolvimento social e que abram caminhos ao socialismo. Lutamos por um desenvolvimento sustentável, solidário, que rompa com os valores do patriarcado, que assegure o direito universal à educação, ao trabalho decente, à liberdade de organização sindical, à terra para quem nela trabalha e o direito à verdade e à justiça para nossos heróis mortos e desaparecidos.
Para enfrentar a crise é preciso incorporar a juventude ao desenvolvimento do país. Incluir o bônus demográfico atual exige uma política econômica soberana que valorize o trabalho, a produção, o investimento e as políticas sociais, e não a especulação. Esse é o melhor cenário para tornar realidade os direitos que queremos aprovados no estatuto da juventude.
Iniciamos aqui uma caminhada de unidade e luta por reformas estruturais que enterrem o neoliberalismo e resguardem a nossa democracia dos retrocessos que pretendem impor os monopólios da mídia, ou golpes institucionais como os que ocorreram no Paraguai e em Honduras.
Desde essa histórica Plenária Nacional, unidos e cheios de esperança, convocamos a juventude a tomar em suas mãos o futuro dos avanços no Brasil, na luta pelas seguintes bandeiras consensualmente construídas:
1. Educação: financiamento público da educação
1.1. 10% PIB para Educação Pública
1.2. 100% dos royalties e 50% do fundo social do Pré-sal para Educação Pública
1.3 2% do PIB para Ciência, Tecnologia e Inovação
1.4 Por uma política permanente de valorização das bolsas de pesquisa
1.5 Democratização do acesso e da permanência na universidade
1.6 Pela expansão e a qualidade da educação do campo
1.7 Cotas raciais e sociais nas universidades estaduais
1.8 Curricularização da extensão universitária
1.9 Regulação e ampliação da qualidade, em especial, do setor privado

2. Trabalho – trabalho decente
2.1 Redução da jornada de trabalho sem redução de salário! 40 horas já!
2.2 Condições dignas de trabalho decente
2.3 Políticas que visem a conciliação entre trabalho, estudos e trabalho doméstico
2.4 Direito de organização sindical no local de trabalho
2.5 Contra a precarização promovida pela terceirização
2.6 Pela igualdade entre homens e mulheres no trabalho e entre negros/as e não negros/as

3. Por avanços na democracia brasileira – Reforma Política
3.1 Pela Reforma política
3.2 Combate às desigualdades sociais e regionais
3.3 Contra a judicialização da politica e a criminalização dos movimentos sociais
3.4 Pela auditoria da Divida Publica
3.5 Contra o avanço do capital estrangeiro na aquisição de terras e na Educação
3.6 Reforma agrária
3.7 Aprovação do Estatuto da Juventude

4. Diretos sociais e humanos: Chega de violência contra a juventude
4.1 Contra o extermínio da juventude negra
4.2 Contra a redução da maioridade penal
4.3 Garantia do direito à Memória, à Verdade e à Justiça e pela punição dos crimes da Ditadura
4.4 Garantia dos direitos sexuais e reprodutivos, como à autonomia sobre o próprio corpo e o
combate à sua mercantilização, em especial das jovens mulheres
4.5 Pelo fim da violência contra as mulheres
4.6 Pela mobilidade urbana e o direito à cidade
4.7 Pelo direito da juventude à moradia
4.8 Desmilitarização da policia
4.9 Respeito à diversidade sexual, aos nomes sociais e criminalização da homofobia
4.10Apoio à luta indígena e quilombola e das comunidades tradicionais
4.11Contra a internação compulsória e pelo tratamento da dependência química através de uma
política de redução de danos
4.12Pelo direito ao lazer à cultura e ao esporte, inclusive com a promoção de esportes radicais

5. Democratização da comunicação de massas
5.1. Universalização da internet de banda larga no campo e na cidade
5.2 Políticas públicas para grupos e redes de cultura
5.3 Apoio público para os meios de comunicação da imprensa alternativa
5.4. Apoio ao movimento de software livre

Assinam este documento: ABGLT, ANPG; APEOESP; Associação Cultural B; Centro de
Estudos Barão de Itararé; CONAM, CONEM, Consulta Popular; ECOSURFI; Enegrecer;
FEAB; Federação Paulista de Skate; Fora do Eixo; Juventude da CTB; Juventude da CUT;
Juventude do PSB; Juventude do PT; Juventude Pátria Livre; Levante Popular da Juventude;
Marcha Mundial das Mulheres; MST; Nação Hip Hop Brasil; Pastoral da Juventude, PJMP,
REJU; REJUMA; UBES; UBM, UJS; UNE; UPES, Via Campesina.

Da Redação - UNE

GOVERNO ROMPE COMPROMISSO COM A SOCIEDADE NO TEMA COMUNICAÇÃO,DIZ FNDC


Em nota pública divulgada nesta sexta-feira (22), o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação fez duras críticas ao governo federal, por conta do anúncio de que o Executivo não dará sequência ao debate de um novo marco regulatório para o setor.
Confira abaixo o documento:
A declaração do secretário-executivo do Ministério das Comunicações, no último dia 20, de que este governo não vai tratar da reforma do marco regulatório das comunicações, explicita de forma definitiva uma posição que já vinha sendo expressa pelo governo federal, seja nas entrelinhas, seja pelo silêncio diante do tema.
A justificativa utilizada – a de que não haveria tempo suficiente para amadurecer o debate em ano pré-eleitoral – é patética. Apesar dos insistentes esforços da sociedade civil por construir diálogos e formas de participação, o governo Dilma e o governo do ex-presidente Lula optaram deliberadamente por não encaminhar um projeto efetivo de atualização democratizante do marco regulatório. Mas o atual governo foi ainda mais omisso ao sequer considerar a proposta deixada no final do governo do seu antecessor e por não encaminhar quaisquer deliberações aprovadas na I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), realizada em 2009. O que fica claro é a ausência de vontade política e visão estratégica sobre a relevância do tema para o avanço de um projeto de desenvolvimento nacional e a consolidação da democracia brasileira.
A opção do governo significa, na prática, o alinhamento aos setores mais conservadores e o apoio à manutenção do status quo da comunicação, nada plural, nada diverso e nada democrático. Enquanto países com marcos regulatórios consistentes discutem como atualizá-los frente ao cenário da convergência e países latino-americanos estabelecem novas leis para o setor, o Brasil opta por ficar com a sua, de 1962, ultrapassada e em total desrespeito à Constituição, para proteger os interesses comerciais das grandes empresas.
Ao mesmo tempo em que descumpre o compromisso reiterado de abrir um debate público sobre o tema, o governo federal mantém iniciativas tomadas em estreito diálogo com o setor empresarial, acomodando interesses do mercado e deixando de lado o interesse público.
No setor de telecomunicações, na mesma data, foi anunciado um pacote de isenção fiscal de 60 bilhões para as empresas de Telecom para o novo Plano Nacional de Banda Larga em sintonia com as demandas das empresas, desmontando a importante iniciativa do governo anterior de recuperar a Telebrás, e encerrando o único espaço de participação da sociedade no debate desta política – o Fórum Brasil Conectado. Somando-se ao pacote anunciado de benesses fiscais, o governo declara publicamente a necessidade de rever o texto do Marco Civil da Internet que trata da neutralidade de rede, numa postura totalmente subserviente aos interesses econômicos.
Na radiodifusão, faz vistas grossas para arrendamentos de rádio e TVs, mantém punições pífias para violações graves que marcam o setor, conduz a portas fechadas a discussão sobre o apagão analógico da televisão, enquanto conduz de forma tímida e errática a discussão sobre o rádio digital em nosso país. Segue tratando as rádios comunitárias de forma discriminatória, sem encaminhar nenhuma das modificações que lhes permitiriam operar em condições isonômicas com o setor comercial.
Diante desta conjuntura política e do anúncio de que o governo federal não vai dar sequência ao debate de um novo marco regulatório das comunicações, ignorando as resoluções aprovadas na 1ª Conferência Nacional de Comunicação, manifestamos nossa indignação, ao mesmo tempo em que reiteramos o nosso compromisso com este debate fundamental para o avanço da democracia.
De nossa parte, seguiremos lutando. A sociedade brasileira reforçará sua mobilização e sua unidade para construir um Projeto de Lei de Iniciativa Popular para um novo marco regulatório das comunicações.
Coordenação executiva do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC:
Associação das Rádios Públicas do Brasil (Arpub)
Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária - Abraço 
Associação Nacional das Entidades de Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões – Aneate
Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé
Conselho Federal de Psicologia – CFP
CUT - Central Única dos Trabalhadores
Federação Interestadual dos Trabalhadores em Telecomunicações - FITTEL 
Federação Interestadual dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão - Fitert
Intervozes–Coletivo Brasil de Comunicação Social

Fonte: FNDC

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA 9º OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS


Com início na última segunda-feira, 18, estão abertas as inscrições para os estudantes das escolas da rede pública para Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) de 2013. As inscrições vão até 5 de abril, no site www.obmep.org.br. A previsão é de que aproximadamente 20 milhões de estudantes de todo o país participem da competição.
A olimpíada visa a estimular a revelação de estudantes com grande aptidão para a matemática. Qualquer escola pública pode inscrever os secundaristas em três níveis: o nível 1 para alunos do 6.º e 7.º anos do ensino fundamental, o nível 2 para os do 8.º e 9.º anos e o nível 3 para os do 1.º ao 3.º ano do ensino médio.
As provas da primeira fase da competição serão aplicadas no dia 4 de junho, em horário a ser definido pela própria escola. Os estudantes com melhor desempenho serão classificados para a segunda fase, que ocorrerá no dia 14 de setembro, às 14h30 (horário de Brasília), em locais que ainda serão definidos.
Na edição deste ano, serão lançados os clubes de matemática para disseminar o estudo da disciplina no País e incentivar o desenvolvimento intelectual dos alunos. Alunos de todo o País podem formar os clubes e inscrevê-los no blog http://clubes.obmep.org.br/blog.
A divulgação dos vencedores da olimpíada será feita no dia 29 de novembro. No total, 6 mil estudantes serão premiados com medalhas, das quais 500 de ouro, 900 de prata e 4.600 de bronze. Além disso, 46.200 estudantes ganharão menções honrosas. Todos os medalhistas serão convidados para participar do Programa de Iniciação Científica da Obmep, em 2014.
A olimpíada é um projeto do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa) e existe desde 2005. É promovida pelos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Educação, com o apoio da Sociedade Brasileira de Matemática. No ano passado, mais de 19 milhões de alunos de 46.728 escolas participaram.
Da Agência Brasil, com Redação UBES

domingo, 24 de fevereiro de 2013

6ª REUNIÃO DA COMISSÃO EM DEFESA DOS CAMPUS DA UERN E UFRN A TODO VAPOR!


 Uma comissão com muito oxigênio prá queimar
 Lindas, inteligentes e também com muita vontade de conquistar breve vitórias-Campus Já!
 Coordenação dos trabalhos da 6ª Reunião da Comissão
Jovens na luta com sede de vitória
Hoje pela manhã na Escola Estadual SANTA RITA no bairro de Alto de Santa Luzia, município de Nova Cruz-RN, a Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN promoveu sua 6ª Reunião para informar, aprovar ações que serão desenvolvidas até o mês de março.

Após os informes e esclarecimentos foram debatidos temas relacionados a UERN e UFRN, que culminou com propostas para serem encaminhadas, entre elas destacamos a 7ª reunião da comissão que irá acontecer já no próximo sábado, 02 de março ás 9h na E. M. Nestor Marinho e a promoção de um grande evento durante todo o dia e noite para expor através de fotos, vídeo, debates, entrevistas e espaços cultural assuntos do nascimento da comissão em defesa dos campus, que teve inicio em 2010 ate´os dias de hoje.  A comissão convidará autoridades da UERN e UFRN e parlamentares para participarem de mesa redondo, cujos temas será sempre em torno da viabilidade dos campus.  A data ficou para o dia será 22 de março na E. M. Nestor Marinho nos turnos manhã tarde e noite.

A comissão participará da Assembleia da AAASL - Associação dos Amigos do Alto de Santa Luzia, que ocorrerá dia 02 de março, ás 19 na E. E. Santa Luzia, onde será aprovado o estatuto e eleição da primeira diretoria da referida associação.  E dia 17 de março, ás 9h participará da posse da diretoria da Associação Cultural e Desportiva da Comunidade do Juriti - ACDC, fortalecendo laços com a comunidade.

Foi aprovado também a nomeação da colega Lucicleide Pereira da Costa para reforça a secretaria da comissão.

Os membros da comissão, Eduardo Vasconcelos, Áquila Lima, Lucas D'vinno e Maria da GUIA da Silva ficarão de prontidão durante a semana que se inicia para participarem de provável audiências com as reitorias da UERN e UFRN, além de viagem a Natal para contactar órgão ligados diretamente a educação e Assembleia Legislativa.

É bom lembrar que mais uma vez a coordenação convida alunos do Curso de Direito e Ciência da Computação e os mesmo não comparecem e nem manda representes.  Mas a comissão vem fazendo o seu dever de casa, pois no ponto de vista da comissão quem perde são os próprios estudantes. "Jacaré Parado Vira Bolsa de Madame" - Mas nesta reunião estiveram presentes representantes da ASSPAN. ACDCJ, AAASL, CPC/RN, CPC DA ANE/RN, AMES-NOVA CRUZ, ANE/RN  e estudantes de várias escolas, juntamente com vestibulandos.  19 membros compareceram a reunião, que para nós foi ótima, pois todos eles deixaram seus afazeres para darem suas contribuições a uma causa nobre e universal.  A todos eles nossos sinceros agradecimentos.  Na sociedade em que vivemos sempre foi assim, ou seja, uma "minoria" LUTANDO por uma MAIORIA.

O bom também é que a comissão continua CORPO E ALMA!  A estar apenas começando!

COMISSÃO EM DEFESA DOS CAMPUS DA UERN E UFRN REUNIRÁ - SE HOJE, AS 9:30


Logo mais ás 9:30 na Escola Estadual SANTA LUZIA - Bairro do Alto de Santa Luzia - Nova Cruz/RN a Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN realiza sua 6ª Reunião.  Na pauta Informes, Propostas e Encaminhamentos para o fortalecimento da luta.

Semana que vem a comissão poderá ser recebida pelos reitores, Milton Marques de Medeiros da UERN e Ângela Paiva, reitora da UFRN.  Na reunião de hoje o Coordenador Geral, Eduardo Vasconcelos levará ao conhecimento da comissão e da população local a verdadeira situação em que se encontra o Núcleo da UERN em Nova Cruz e as reais condições da viabilidade da vinda do campus da UFRN.

O momento é de muita união e fortalecimento para que os sonhos se tornem realidade o mais breve possível.  O coordenador espera que representantes dos Cursos de Direito e de Ciência da Computação compareçam, pois são eles que vem sofrendo na pele os problemas existentes naquele núcleo.  Se faz necessários utilizar estratégias para buscar apoios importantes para a luta.  Portanto a reunião de hoje será de muito proveito, garante Eduardo Vasconcelos.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

EDUARDO VASCONCELOS, COORDENADOR GERAL DA COMISSÃO EM DEFESA DOS CAMPUS DA UERN E UFRN VISITA NUCLEO DA UERN EM NOVA CRUZ/RN


 Alunos do Curso de Direito atentos as informações do Coordenador da Comissão
Hoje pela manhã e a noite o Coordenador Geral da Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN, Eduardo Vasconcelos esteve no Núcleo da UERN visitando as turmas do Curso de Ciências da Computação pela manhã e da de Direito na noite de hoje.

Com objetivos de levar ao conhecimento dos alunos a luta em prol do campus, de como anda as mobilizações e convidá-los para participarem da próxima reunião, que ocorrerá no próximo domingo, 24, ás 10 horas na E. E. Santa Luzia, no Bairro de Santa Luzia - Nova Cruz/RN.

Eduardo visitou 03 turmas pela manhã e 05 a noite.  " O momento foi muito propício, pois muitos por incrível que pareça ainda não tinha conhecimento da luta, houve alguns questionamentos, mas todos foram respondidos prontamente, não deixando dúvidas sobre o objetivo da comissão.", disse Eduardo Vasconcelos.

È preciso que os alunos se engajem nesta luta que também são deles.  A uma necessidade do fortalecimento para que a sociedade saia vitoriosa.  Vamos cobrar mais posições por parte das reitorias, por parte dos políticos e apresentar as soluções.  Mas também é preciso que os alunos dos dois cursos também participem para que saiamos vitoriosos.  Com certeza nossa 6ª reunião será um sucesso, pois próxima semana iremos a Natal para contactar a UERN e UFRN, além da Assembleia Legislativa na tentativa de conseguir mais apoios as nossas lutas e mobilizações.

UFRN: Está mais adiantada, pois precisa apenas do parecer favorável do MEC e a Bancada Federal disponibilizar recursos através de Emendas Individuais ou Coletiva, teremos praticamente a viabilidade do Campus de volta a Nova Cruz.

UERN: Juntos Assembleia Legislativa, Governo do Estado, Bancada Federal, UERN e a Sociedade através da Comissão setarem e buscarem os caminhos mais práticos, como por exemplo: Construção do Campus em terreno doado pela UFRN ou Reformar o CAIC - E. E. Joanita Arruda Câmara- LEGALIZANDO ENTRE A PREFEITURA DE NOVA CRUZ, GOVERNO FEDERAL E GOVERNO ESTADUAL.  Para isso o Governo Estadual e a Bancada tem que disponibilizar recursos viabilidade de uma das alternativas.  Por isso é importante a mobilização da sociedade civil e a comissão.

Vamos acreditar que em BREVE uma MUDANÇA vai ACONTECER.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

PROUNE: ESTUDANTES DEVEM COBRAR DIVULGAÇÃO DAS MENSALIDADES


Instituições particulares são obrigadas a informar os valores exatos de cada curso, para evitar fraudes e garantir que as bolsas tenham desconto verdadeiro
Após um ano da publicação de portaria que obriga instituições de ensino superior parceiras do Prouni (Programa Universidade para Todos) a divulgar os valores regulares da mensalidade com o objetivo de evitar que os bolsistas sejam fraudados, a medida ainda não foi cumprida. As informações são do portal iG.
A determinação foi criada pelo MEC (Ministério da Educação) após denúncias de que uma instituição cobrava o dobro por vagas pelo programa. Contudo, a regra ainda não surtiu efeito.
Nesta terça-feira (19), último dia para que os candidatos aprovados em segunda chamada realizassem as matrículas, nenhuma lista contendo os valores dos cursos havia sido divulgada em instituições de São Paulo e Brasília.
As políticas deveriam ser expostas no mural das universidades e serem disponibilizadas em seus respectivos sites, para que todos tivessem acesso a essas informações. As leis que regem o Prouni e o Fies também deveriam ter publicidade, juntamente com o número do MEC para possíveis denúncias (0800-616161).
Sobre a falta de punição para as instituições, o MEC afirma que a fiscalização é feita quando uma equipe visita as unidades e confere a qualidade dos cursos ou ainda em caso de denúncia de alunos.
Do Portal Universia - UNE

MOVIMENTOS DE JUVENTUDE ENSAIAM JORNADA DE LUTA SÁBADO


Encontro em SP reúne entidades como UNE, MST, CUT, UBES, Fora do Eixo, movimentos de mulheres, do hip hop, ciclistas, skatistas, surfistas e outros grupos estarão presentes
Mais de vinte movimentos ligados à educação, juventude, cultura, esporte, trabalho, gênero, questão racial, transporte e direito à terra no Brasil participam de um grande ato em São Paulo, no próximo sábado (23), à partir das 9h, no auditório do Sindicato dos Químicos.
O encontro, que é aberto ao público em geral, é preparativo para a Jornada de Lutas unificada, que será realizada em março e abril, por todo o país, pelos setores de juventude desses diversos movimentos. A coalizão é inédita no país e deverá consolidar as principais bandeiras e reivindicações dos jovens brasileiros, neste momento, aos governos federal, estaduais e municipais.

REIVINDICAÇÕES
Entre os grandes consensos está a necessidade de investimento de 10% do PIB brasileiro na educação pública, além de 100% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal também no setor educacional. Outra pauta urgente e unificada é combate à violência e extermínio da população jovem e negra no Brasil, principalmente nas periferias das grandes cidades. Dados recentes do Conselho Nacional de Juventude mostram que, do total de homicídios no país, 70,6% das vítimas são negras e 53,5% são jovens com idades entre 15 e 19 anos.
A necessidade de trabalho decente para a juventude brasileira urbana, com garantia de todos seus direitos e a possibilidade de adequação das suas atividades à formação educacional e cultural também terá grande destaque entre as reivindicações, assim como a reforma agrária para o pleno desenvolvimento dos jovens nas zonas rurais. Outro tema prioritário para o movimento é a democratização dos meios de comunicação no país, combatendo o domínio dos grandes grupos econômicos sobre o setor e promovendo as novas alternativas de redes e conhecimento livre, rádios e TVs comunitárias, novas mídias e internet.

AGENDA DO ENCONTRO
Durante a parte da manhã, os movimentos realizarão um debate sobre a conjuntura nacional e seu impacto sobre a juventude. Na parte da tarde, serão planejadas, de forma mais aprofundada, as manifestações da Jornada de Lutas em diversas cidades brasileiras. Ao final, haverá atividade cultural, a partir das 18h, na Casa Fora do Eixo. O Sindicato dos Químicos fica na rua Tamandaré, 348, Liberdade. A Casa Fora do Eixo fica na rua Scuvero, 282, também no bairro da Liberdade.

SOBRE A JORNADA DE LUTAS UNIFICADA
Tradicionalmente realizada no mês de março pelas principais entidades do movimento social, a Jornada de Lutas do mês de março, neste ano, está sendo construída coletivamente com destaque para a área da juventude. A intenção é conseguir mais força e pressão a favor de temas que são considerados urgentes para todos. Os movimentos estão se reunindo desde o mês de novembro.
A Jornada de Lutas unificada deverá acontecer no final nas últimas semanas de março e primeiras semanas de abril Estão previstas grandes mobilizações organizadas
em dez capitais brasileiras: Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre.

SERVIÇO?

O quê? Encontro preparatório da Jornada de Lutas unificada da Juventude
Quando? Sábado, 23 de fevereiro
Debates, a partir das 9h / Atividade Cultural, a partir das 18h
Onde? Debates – Sindicato dos Químicos (Rua Tamandaré, 348, Liberdade)
Atividade Culturais – Casa Fora do Eixo (Rua Scuvero, 282, Liberdade)

Todas as atividades são abertas ao público
Da Redação-UNE

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

ASSINE: PETIÇÃO PÚBLICA PELOS 100% DOS ROYALTIES DO PETRÓLEO E 50% DO PRÉ-SAL

Assinaturas visam garantir os recursos para o cumprimento das metas do PNE 

A destinação dos 10% do PIB para educação é uma das principais bandeiras de luta da União Nacional dos Estudantes (UNE) e de diversos outros setores do movimento social. Os royalties do petróleo e do fundo social do Pré-sal são duas importantes fontes apontadas como recursos para que essa meta seja alcançada ainda esse ano.

Dentro desse contexto, o Fórum Nacional de Educação (FNE) divulgou em dezembro do ano passado uma petição pela garantia da destinação de 100% de todos os royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal como forma de atrair os holofotes para a importância de mais investimentos na educação pública.
Por meio da coleta de assinaturas, o Fórum pretende promover a discussão em favor das propostas apresentadas para garantir a manutenção e o desenvolvimento do ensino no país. A coleta também tem o objetivo de reforçar a pressão pela aprovação no Congresso Nacional.

“Após o encerramento da petição, entre os dias 26 e 27 de fevereiro, acontecerá uma reunião do FNE e das demais entidades do movimento educacional que culminará em um ato para a entrega do documento ao relator do PNE, o senador José Pimentel (PT-CE). Vale a presença de todos os estudantes”, apontou Estevão Cruz, diretor da UNE.

Você também pode contribuir e participar dessa mobilização social deixando a sua assinatura aqui.

ENTENDA O FNE

O FNE é um espaço que promove o diálogo entre a sociedade civil e o Estado brasileiro, fruto de deliberação da Conferência Nacional de Educação (CONAE – 2010). De caráter permanente, é composto por 35 entidades representantes da sociedade civil e do poder público e tem como atribuições a participação do processo de concepção, implementação e avaliação da política educacional no Brasil.

Da Redação-UNE

AGENDA DA COMISSÃO, MÊS DE FEVEREIRO/2013: ALERTA GERAL

A Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN está em alerta geral em virtude de a qualquer momento serem marcadas audiências com o Reitor, Milton Marques de Medeiros - UERN e a Reitora, Ângela Paiva - UFRN.  O primeiro ficou de quinta-feira próxima agendar uma data, confirmará por telefone e a reitora, Ângela Paiva chegará de Brasília essa semana e provalmente marcará entre os dias 26, 27 ou 28 a tarde entre a comissão, SINTEST e a reitora.  Em pauta: CAMPUS em Nova Cruz/RN.

Mas a comissão está se reunindo em 15 e 15 dias visando buscar mais apoios as bandeiras de lutas.  Importante também que a sociedade apoie, só assim mais sonhos se tornarão realidade.  É preciso também uma maior participação dos próprios alunos do Curso de Direito e Ciência da Computação do Núcleo da UERN em Nova Cruz, afinal de contas quem vem sofrendo diretamente com a escacez são eles e precisam urgentemente entrarem na luta.  A comissão dentro de poucos dias irá visitá-los em sala de aula e conclamá-los para a luta!

Próximo domingo, 24, ás 10 horas da manhã haverá a 6ª reunião, na Escola Estadual SANTA RITA no Alto de Santa Luzia - Nova Cruz/RN.  Sairá um micro ônibus de fronte a Escola Estadual ROSA PIGNATARO, ás 9 horas precisamente.  Entre em contato  com a comissão e confirme sua participação.

Juntos Seremos + Fortes!

sábado, 16 de fevereiro de 2013

CAMPUS DA UFRN: ANTES CEDO DO TARDE! REITORA CONFIRMARÁ AUDIÊNCIA APÓS SEU RETORNO DE BRASÍLIA


Reitora, Ângela Paiva/UFRN
Iniciamos a semana pós o carnaval com uma notícia muito boa!  A reitora da UFRN, Ângela Paiva viaja nesta segunda, 18 a Brasília e terá audiência com o Ministro da Educação, Aluísio Mercadante e na pauta o CAMPUS DE NOVA CRUZ!

Após o retorno da reitora, a mesma confirmará o dia e a hora da audiência entre o SINTEST, Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN e a REITORIA.

A comissão vem ganhando força e parceiros nesta luta, como é caso do SINTEST/RN que vem dando uma força tremenda nas nossas mobilizações e luta em prol dos campus da UERN e UFRN, como também outros sindicatos como o SENALBA, SINTE, SINDSAÚDE, SINDHOTELEIROS, SINDÁGUA, todos parceiros desta jornada de luta.

Ficaremos de prontidão tanto na expectativa da audiência com a reitora, Ângela Paiva como também a audiência com o reitor, MILTON MARQUES DE MEDEIROS da UERN.

Atenção: Próxima reunião será dia 24/02, ás 10h na E. E. Santa Luzia - Alto de Santa Luzia - NOVA CRUZ/RN.

A luta é nossa, a luta é de TODOS NÓS!

Uma mudança em breve vai acontecer!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Lugar de Criança é na Escola! Campanha Nacional pela Erradicação do Trabalho Infantil


Eleições no Brasil: Novos desafios para os LGBTs.

Escrito por: Adilson Barros, militante LGBT e secretário executivo da Contraf-CUT.

Historicamente a luta dos LGBTs, foi em defesa de sua dignidade e de suas vidas.

 Precisamos ter uma bancada para defender e combater  toda forma de preconceito e potencializar  a luta pelos direitos. Combater a homofobia é uma das nossas principais bandeiras.

Tivemos  mais de 100 candidatos a vereador  em 21 dos Estados brasileiro,  de acordo com a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT, representando os interesses do movimento LGBT. Apenas um município no Estado da Paraíba teve candidato  com orientação sexual  a prefeito, um professor de História. O resultado dessa empreitada  foi que 2012 elegemos 10 vereadores e vereadoras, sendo 02 transexuais e 01 travesti. Em 2008 foram apenas  08 vereadores eleitos.

Foram 22 partidos que apresentaram candidatos gays, lésbicas, travestis, transexuais e bissexuais. Numa ampla maioria de esquerda. O PT – Partido dos Trabalhadores lidera a lista com 22 candidatos.

Precisamos  considerar que a pauta dos candidatos e candidatas foi além das questões LGBTs. A questão dos direitos humanos esteve  entre as principais bandeiras de luta. Muitos dos candidatos não são organizados em associações, mas são assumidamente homossexuais. Um dado relevante e importante na luta dos nossos direitos.

O presidente da ABGLT, Toni Reis, alertava no período, porém que esse movimento de representação gay, gera também reações mais fortes de setores mais conservadores da sociedade. “Estamos tendo mais reconhecimento, mais direitos. Então isso faz com que setores atrasados da sociedade voltem sua atenção para nós e ainda despejam ódio e discursos homofóbicos”, analisou o representante.

O desafio maior dos candidatos LGBTs foi dialogar com os setores mais conservadores. A dificuldade era trazer a tona o debate do casamento gay e o combate à homofobia. Ainda temos a  questão dos direitos da família e valores cristãos. Como seria fazer entender e compreender que constituímos família e temos religião? 

Num período recente a  atriz Deputada Miriam Rios do Rio de Janeiro apresentou um projeto de lei, já sancionado pelo Governador, chamado programa de resgate de valores morais, sociais,  éticos e espirituais. Esta deputada em 2011 polemizou fazendo comparação da  pedofilia com a  homossexualidade. Levando- nos  a indignação, porém no fortalecimento  ao combate as práticas desse setor conservador  e lamentavelmente discriminatório.

A proposta em ter o maior número de candidatos em 2012 e também projetar candidatos para 2014, dando continuidade da agenda LGBT em defesa dos direitos juntamente com candidatos pró LGBT.

29/01 - dia da Visibilidade Trans - Travestis e Transexuais. Data comemorativa devido a implantação do Programa de Governo e Ministério da saúde (2004) pela política de DST/Aids.

Fonte: CUT NACIONAL

Secretário da Juventude Trabalhadores da CTB orienta participação na Jornada de Lutas

A juventude da CTB participa desde fins de 2012 de uma ampla rede de juventude estudantis, sindicais, dos movimentos sociais e políticas, cujo objetivo é impulsionar a mobilização juvenil para avançar nas mudanças, para a inclusão da juventude no projeto nacional de desenvolvimento e a defesa da democracia.

"As Centrais Sindicais preparam uma jornada para o dia 06 de março, em Brasília com a qual devemos contribuir ativamente. Além disso, as juventudes também preparam uma Jornada de Lutas , entre os dias 25 a 29 de março", destaca Paulo VInícius, secretário da Juventude da CTB.

De acordo com o líder sindical, no dia 23 de fevereiro acontece uma Plenária Nacional do Movimento, cuja representação dos Estados depende de que as juventudes em cada capital se reúnam para definir os representantes para esse evento nacional e articular a jornada no seu Estado. "É importante participarmos dessa articulação e imediatamente buscarmos os recursos para a ida, posto que não há a possibilidade de financiamento", afirma.

O dirigente lembra que é importante o envolvimento dos jovens trabalhadores e dos coletivos na Jornada, "em especial num ano de Congresso da CTB, em que precisamos realizar os encontros estaduais de juventude".

 A CTB orienta que a juventude militante se informe e participe das reuniões da Jornada de Lutas na sua região.
Clique e acesse o documento da Jornada de Lutas da Juventude

NATIRUTS - EU E ELA

No seu pensamento sou rei
E o certo caminho eu não sei
Há mil formas para sorrir
Só uma para ser feliz
No espaço lancei uma canção que vai
( uma linda canção pra mostrar )
Força nos dreadlocks que só o tempo traz
( que só o tempo traz )
o bem que ela me fez a noite toda dancei
Se a onda não está aqui
Talvez não possa sentir

4X
Eu e ela

Só eu andei, solidão
Não encontrei flor maior
Se amarrou receba o sorriso e tudo que é bom

Dreadlocks longe estão dos seus valores
Sinais dos pobres homens e suas cores
Mas a música que te faz
Ser feliz pra mim é demais
E os segredos assim se revelarão
E os receios só se quebram

4X
Eu e ela

Megafone: Movimento Estudantil, uma linda história

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

NOTA DA UNE E UEE-SP EM REPÚDIO AO MP DE SÃO PAULO

 

Em clara perseguição, Ministério Público do estado enquadra estudantes no crime de “formação de quadrilha” pela ocupação da USP 
A União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Estadual dos Estudantes de São Paulo (UEE-SP) vêm a público manifestar o seu total repúdio contra a decisão do Ministério Público do Estado de São Paulo, por meio da promotora Eliana Passarelli, em denunciar 72 estudantes que participaram, em 2011, da ocupação da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) por formação de quadrilha, posse de explosivos, dano ao patrimônio público, desobediência e crime ambiental por pichação.
A acusação se deu pela ação do movimento estudantil no ano de 2011, como forma de protesto contra a presença da Polícia Militar dentro do campus. Mediante ordem judicial, após oito dias os estudantes saíram do prédio escoltados pela Tropa de Choque da PM, que realizou a reintegração de posse.
Respeitamos o Ministério Público quanto instituição defensora da ordem jurídica e órgão articulador para garantia ao cidadão, porém repudiamos a criminalização dos movimentos sociais e o movimento estudantil. Entendemos que o ato de protesto realizado pelos estudantes tinha como função apenas pressionar a reitoria da universidade para a retirada da Polícia Militar do campus.
O livre trânsito da Polícia Militar dentro da USP vai na contramão do conceito do território livre que deve ser a universidade. É inadmissível que policiais usem a força repressora do Estado dentro do campus, ambiente livre para o pensamento e a livre circulação do conhecimento.
A UNE e a UEE-SP se posicionam contrariamente a toda e qualquer forma de cerceamento de liberdade, tendo como um de seus maiores princípios a luta pela livre expressão e manifestação. Por isso, mais uma vez prestamos solidariedade e apoio aos estudantes da USP que, por meio da união de forças, lutaram pela garantia de seus direitos.
São Paulo, 07 de fevereiro de 2013
União Nacional dos Estudantes
União Estadual dos Estudantes de São Paulo

ASSINE: PETIÇÃO CONTRA A DENÚNCIA AOS ESTUDANTES DA USP


Em claro gesto de criminalização do movimento estudantil, Ministério Público de SP vê “formação de quadrilha” na ocupação da reitoria em 2011
Na última terça-feira (5/02), o Ministério Público Estadual denunciou 72 estudantes que participaram da ocupação do prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) em novembro de 2011. As denúncias incluem cinco crimes: formação de quadrilha, posse de explosivos, dano ao patrimônio público, desobediência e crime ambiental por pichação.
Em outubro do mesmo ano, cerca de 400 estudantes mantiveram ocupado o prédio da administração da Faculdade de Filosofia, História e Geografia (FFLCH). Na ocasião, os alunos entraram em confronto com policiais militares devido a prisão de três jovens. A desocupação do prédio da administração ocorreu cerca de dez dias depois, de forma bastante violenta: mais de 30 homens da cavalaria e mais de 400 na Tropa de Choque retiraram e detiveram os estudantes que ainda protestavam no local.
O episódio configurou um atentado contra a democracia e clara perseguição ao movimento estudantil dentro da maior universidade brasileira. As ações posteriores à ocupação, tomadas pelo reitor João Grandino Rodas, como a desocupação de um espaço dentro do Centro de Vivência da USP, a tentativa de demolição do barracão do Núcleo de Consciência Negra (NCN) e a expulsão ideológica de seis alunos participantes da ocupação legítima de uma sala do Conjunto Residencial da USP (Crusp) refletem o abuso de autoridade existente e a falta de diálogo na instituição.
Desta forma, a UNE, o DCE-Livre da USP e abaixo-assinados exigem a retirada imediata da denúncia apresentada pelo Ministério Público, com a certeza de que a luta pela democracia nas instituições de ensino não é ato passível de punição.
Você também pode contribuir e deixar a sua assinatura aqui.
Da Redação-UNE