Páginas

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

ENTIDADES LANÇAM CAMPANHA DO VOTO AOS 16, "ANTES CEDO DO QUE TARDE!"


As entidades Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN, Associação Norteriograndense de Estudantes - ANE/RN, o Centro Popular de Cultura - CPC DA ANE/RN e a Associação Municipal de Estudantes Secundaristas - AMES/NOVA CRUZ lança a Campanha "Voto aos 16, Antes Cedo do Que Tarde!".

Para os diretores das entidades é importante que os jovens participe das ações políticas do seu país, do seu estado e do seu município e para isso não basta só criticar, revindicar ou mesmo protestar, ELE tem que PARTICIPAR!  Para isso a juventude brasileira, principalmente que tem 16 anos ou mesmo irá completar até o dia 07 de outubro deste ano tem o direito de tirar seu Titulo de Eleitor e já votar nas próximas eleições.  Leia abaixo e reflitam!

A IMPORTÂNCIA DO VOTO DE NOSSA JUVENTUDE

"O eleitor de 16 anos está preparado para exercer seu direito de voto. Não é o fato de ter 16 anos que o diferenciará do alienado de 30 ou 35 anos".
(Sepulveda Pertence)
Publicação em 12 de junho de 2009

voto é um direito constitucional e um dever do cidadão e ao contrário do que muitos pensam não existe a "obrigatoredade de votar" e sim de estar alistado para tal, o que dá ao cidadão o livre arbítrio de justificar sua ausência, votar em branco ou simplesmente anular seu voto.

Uma emenda Constitucional à Constituição de 1988 estabeleceu o voto facultativo aos 16 anos e muitos de nossos jovens avIdos por terem a oportunidade de infuenciarem nos destinos de nossa nação correram aos Cartórios Eleitorais e se alistaram, estando aptos a votar e a exercer seus direitos de cidadão.

Há cinco anos atrás haviam no país cerca de 3,6 milhões de eleitores com 16 e 17 anos e infelizmente em maio de 2008 este número baixou para 2,9 milhões de eleitores, mostrando uma redução de 19% o que demonstra o desencanto de nossa juventude com o "Status Quo" dominante em nossa política atual.

Infelizmente, este desencanto ou frustação leva a uma vitória dos demagogos, dos desonestos, dos corruptos, dos oportunistas e dos que vivem de costas para a ética.

Segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a cidade de São Paulo é a segunda capital com menor participação de eleitores de 16 anos no conjunto dos votantes - na capital paulista, eles totalizam 16.461 dos 8.198.301 aptos a votar ou 0,20% do total, sendo o Rio de Janeiro a primeira com apenas 6.033 dos 4.579.365 de eleitores, o que representa cerca de 0,13% do total.

Entre as capitais, a maior presença de eleitores de 16 anos ocorre em Rio Branco, onde 1,23% dos eleitores têm essa idade. São 2.534 votantes entre os 201.620 da capital acreana. Depois, aparecem Palmas, com 1,14%, e Boa Vista, com 1,08%.

Podemos sim através do voto consciente mudar os destinos de nossa nação, em nossas mãos, em nossa seriedade e em nossos votos estão as armas suficientes para que pessoas de bem, de ética sem nódoas assumam a condução desta grande nação.

Portanto você que tem entre 16 e 17 anos, vá ao Cartório Eleitoral aliste-se como eleitor, reuna seus amigos e explique a eles de sua importancia na construção de uma Democracia forte, onde os valores éticos e morais sejam preponderantes. onde os demagogos, os desonestos, os corruptos e os oportunistas se retirem à sua insignificância.

Somos muitos e eles são poucos, para derrotá-los basta apenas o nosso votoconsciente e responsável.

Já leu? Pronto!  Agora vá ao cartório mais próximo de sua casa, levando certidão de nascimento e comprovante de residência em nome de seu pai ou mãe, caso não tenha pegue uma declaração em sua escola que conste seu endereço e TIRE O SEU TITULO DE ELEITOR e exerça sua cidadania!

"VOTO AOS 16, ANTES CEDO DO QUE TARDE!"

Ministro do TSE discute com estudantes importância do voto de jovens de 16 anos

Um debate na manhã de hoje (23) no Centro Educacional nº 11 de Ceilândia discutiu aimportância do voto dos jovens de 16 anos. Para o ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Henrique Neves da Silva, a participação desse público é fundamental.
“O adolescente tem a consciência da importância do voto, então, é fundamental a sua participação nas eleições. Quanto mais cedo participarem davida política, melhor para o país”, disse o ministro durante o encontro.
A iniciativa tem o intuito de promover o debate em escolas sobre democracia, participação,autonomiacidadania e direitos humanos a partir da análise do conhecimento dos resultados das eleições no Brasil.
Para a estudante Kerlei de Jesus, 16 anos, o jovem precisa ter cautela ao votar. “É muito importante a participação do jovem nas eleições, desde que, não vote em qualquer um, e sim no candidato que tem soluções para nossas necessidades.”
As palestras serão promovidas, até sábado (28), em escolas de ensino médio e nos últimos anos do ensino fundamental. O projeto é uma parceria entre a Subsecretaria para Educação Integral, Cidadania e Direitos Humanos (SEICDH) e o TSE.
Fonte: Agência Brasil
Postado por amambainoticias.com.br

Governo do Estado decide cortar ponto dos professores em greve

A Secretaria Estadual de Educação (Seec) decidiu ontem cortar o ponto dos grevistas do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte (Sinte/RN). Em nota oficial na tarde do primeiro dia de paralisações dos educadores, a Seec criticou os grevistas e afirmou não haver motivos para a suspensão das atividades.
A Secretaria citou ainda algumas reivindicações da categoria atendidas pelogoverno, como o reajuste de 8,32% para professores ativos e inativos, a alteração do porte das escolas e a concessão de uma letra a todos os professores (a chamada "promoção horizontal"), e, questiona caráter político das atitudes do Sinte.
Coordenador do Sinte, Rômulo Arnaud afirma que o governo está tentando desmoralizar a categoria e ferindo um direito constitucional dos trabalhadores, o direito à greve.
"É um absurdo. O governo querer acabar com a greve através de ameaças. Isto é um desserviço à educação do Estado. O discurso usado de que nossas atividades têm fins políticos é ridículo. Fizemos a maior greve da história doRio Grande do Norte em 2011, ano em que não houve eleição alguma. A categoria não faz greve olhando o calendário eleitoral, fazemos quando é preciso", disse.
Rômulo Arnaud destaca que, se necessário, a categoria irá recorrer à intervenção federal e até mesmo a órgãos internacionais, como a Organização dos Estados Americanos (OEA), para pressionar o Governo a cumprir os acordos firmados em 2013.
"Na greve passada, o governo entrou com pedido de ilegalidade contra a categoria, pedido que foi negado porque a Justiça entende que a greve é um direito do trabalhador e que nós estamos lutando por uma educação de qualidade", disse o coordenador, que reafirma o convite à população para que se integre ao movimento grevista.

Fonte: O Mossoroense
Postado por: Blog de E. E. Padre José Anchieta

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO DE NOVA CRUZ/RN TEVE HOJE AGENDA EXTENSA COM REUNIÕES - CEE - UNIVERSITÁRIOS

 Secretária de Educação, Valéria Arruda Câmara dialoga com os universitários no IFRN

 Cerca de 110 universitários compareceram a reunião com a SME

 Universitários deram suas sugestões, como a aluna, Rose

 Hoje a Secretária de Educação do Município de Nova Cruz, Valéria Arruda Câmara teve uma agenda extensa atendendo professores na secretaria durante toda a manhã e a tarde participou de reuniões. 

Primeiro com os universitários que estudam em Natal, a reunião aconteceu ás 15 horas no Auditório do Campus do IFRN, onde foram abordados vários assuntos, entre eles a Organização dos horários de saída dos ônibus, tanto de Nova Cruz/Natal como Natal/Nova Cruz, de Nova Cruz os ônibus sairão de fronte a Praça de São Sebastião precisamente ás 16 horas e a saída de Natal ás 22:30, passando em todas as universidades que tenham alunos estudando.  Hoje a prefeitura atende a 110 universitários, que serão doutores em breve.

Outros itens importantes discutidos foram a disciplina dentro dos ônibus, como o uso do cinto de segurança , fica extremamente proibido o uso de bebidas contendo álcool dentro dos ônibus e aqueles que beberem após as aulas, principalmente na sexta-feira, onde ocorre mais denúncias, não tomarão os ônibus de volta a sua cidade, isso para evitar transtornos na viagem.  Os que infringirem os acordos aprovados serão advertidos e persistindo-os serão "cortados", ou seja perderão o direito de utilizar o transporte.  E por último os estudantes que faltarem até 7 (sete) vezes sem justificativas serão advertidos e poderá ser cortado da lista de beneficiário, conclamando o próximo da lista de espera.

Essa propostas foram debatidas e aprovadas pelos presentes com o aval da Comissão Representativa dos Universitários.  Vários universitários deram suas opiniões e sugestões.

A secretária, Valéria Arruda encerrou a reunião agradecendo a compreensão de todos/as. No final a mesma foi bastante aplaudida pelos universitários.

REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - CME

 Secretária, Valéria Arruda Câmara esclarece ao CME o remanejamento das escolas
 Reunião foi bem proveitosa
 Miguel Rosa, coordenador pedagógico detalha objetivo da SME

 Padre Assis concorda com a proposta da SME
Após a reunião com os universitários, a secretária de educação, Valéria Arruda participou da reunião do Conselho Municipal de Educação na Sala de Reuniões da Secretaria Municipal de Educação, cuja pauta foi SELO UNICEF (Professora Matilde), Remanejamento das escolas municipais das comunidades do Relâmpago e Lagoa da Mata para a Escola Municipal São Judas Tadeu na comunidade de Lagoa Verde e por último o Planejamento das ações para o ano de 2014.

Com relação ao Selo UNICEF a coordenadora, Matilde Soares estar compondo a Comissão que será composta por todos os segmentos da sociedade civil organizada, além dos membros apontados pelo Poder Executivo e Legislativo Municipal.

Quanto ao remanejamento das escolas das comunidades citadas acima para  a comunidade de Lagoa Verde coube a secretária, Valéria Arruda, ao coordenador pedagógico, Miguel Rosa Filho e  coordenação pedagógica a dá todos os esclarecimentos necessários. Informando aos conselheiros presentes que foi feito reuniões com os professores das três comunidades, depois com os pais dos alunos ali matriculados e ambas as representações aprovaram por maioria a proposta da Secretaria Municipal de Educação. Em a secretária mostrou através de slides a situação em que se encontravam as escolas do Relâmpago e Lagoa da Mata, onde alunos de pré, 1º, 2º, 3º, 4º e 5º séries estudavam em uma única sala, dificultando o aprendizado dos mesmos, além das dificuldades que as professoras enfrentava todos os dias, sem rendimentos para as crianças, além do número reduzidos de matriculados, agravando ainda mais a situação dessas duas comunidades, agora todos estão divididos assim: pré e 1º em sala, 2º e 3º em outra sala e 4º e 5º também em outra sala.  Todos eles serão avaliados em 3 e 3 meses.

A secretária também garantiu que as escolas do Relâmpago e de Lagoa da Mata não ficará ociosa, a secretaria tem projetos que será levado até a essas escolas, como sala de leitura, atendimento de saúde a comunidade nestsas unidades, além de outros projetos que terão as parcerias das secretarias de saúde e da assistência social do município.  O conselho endossou e agora é só colher os frutos em um futuro bem próximo.

Milhões de crianças no mundo não aprendem o básico, diz Unesco

De 650 milhões de crianças em idade de frequentar a educação primária, pelo menos 250 milhões não estão aprendendo o básico de leitura e matemática.

Yara Aquino - Agência Brasil.

Em países em desenvolvimento, 69 milhões de adolescentes e 57 milhões de crianças estavam fora da escola em 2011. Entre os que frequentam a escola, muitos não têm aprendizado  satisfatório devido à baixa qualidade da educação. Os dados estão no 11° Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos, divulgado hoje (29) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O relatório monitora os avanços de metas pactuadas entre 164 países a serem cumpridas até 2015. 

“A baixa qualidade da educação significa que milhões de crianças não estão aprendendo sequer o básico. De 650 milhões de crianças em idade de frequentar a educação primária, pelo menos 250 milhões não estão aprendendo o básico de leitura e matemática”, mostra o relatório.

O custo anual de 250 milhões de crianças sem aprender o básico equivale a US$ 129 bilhões, de acordo com a coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, Maria Rebeca Otero. “O relatório  aponta que há uma crise de aprendizagem muito grande, em que se perde US$ 129 bilhões por ano, que poderiam estar mais bem investidos na educação”, diz.

Em relação aos adolescentes, o texto indica que muitos não adquiriram as habilidades básicas no primeiro nível de ensino secundário. O número de adolescentes fora da escola apresentou redução de 31% desde 1999. No entanto, a redução está estagnada desde 2007. “Em países de baixa renda, apenas 37% dos adolescentes completam o primeiro nível do ensino secundário e esse número chega a 14% nos países mais pobres”, informa o texto.

A capacitação dos professores e o investimento em educação estão entre os caminhos apontados para superar esses problemas. Os professores ganham atenção no relatório,que trata a capacitação como uma das formas de aperfeiçoar a qualidade da educação. De acordo com a publicação, os governos precisam intensificar os esforços para contratar 1,6 milhão de professores adicionais para conseguir universalizar a educação primária até 2015.

“É importante que possamos atrair bons candidatos para dar aula, pessoas que gostem do que fazem, e oferecer formação continuada. Há necessidade de valorizar melhor os professores e eles devem estar munidos de ferramentas como um currículo adequado”, avalia Maria Rebeca Otero.

Segundo o relatório, seriam necessários esforços significativos de governo e outros agentes, assim como novas formas de financiamento para implementar mudanças necessárias na educação. “No estágio atual, os governos simplesmente não podem se permitir uma redução no investimento da educação. Tampouco os doadores deveriam deixar de cumprir suas promessas de financiamento. Isso pede que exploremos novas formas de financiar necessidades urgentes”, acrescenta.


O relatório monitora os avanços das seis metas do Educação para Todos, estabelecidas por 164 países na Conferência de Dacar (Senegal), em 2000. O prazo para o cumprimento das metas é 2015, no entanto, o relatório conclui que nenhum objetivo será conquistado globalmente nesse prazo.

Fonte: Nominuto

MOVIMENTOS DE JUVENTUDE SE REÚNEM E PLANEJAM JORNADA NACIONAL DE LUTAS 2014

Representantes de diversos movimentos se encontraram na sede da UNE para definição das pautas
A sede das entidades estudantis, em São Paulo, recebeu na tarde desta terça-feira (28/01) integrantes de diversos movimentos de juventude para a primeira reunião de organização da próxima Jornada de Lutas, série de manifestações que vão tomar as ruas, instituições de ensino e espaços públicos entre os meses de março e abril deste ano.
A Jornada Nacional de Lutas da Juventude Brasileira vem sendo organizada anualmente pelas entidades estudantis e movimentos sociais com objetivo de intensificar a pauta por melhorias na educação, na cidade e no campo, no transporte público, nas condições de trabalho, pelo fim do extermínio da juventude, principalmente os negros e negras, e mais direitos para os jovens. Em 2013, as marchas foram realizadas em 22 capitais e várias cidades do interior do Brasil.
‘’A juventude mobilizada nas ruas é instrumento fundamental para impulsionar novas páginas da democracia brasileira’’, destacou a presidenta da UNE, Virgínia Barros.
Para o representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Raul Amorim, esta primeira reunião surgiu para continuar a iniciativa iniciada no ano passado. ‘’Estamos aqui para construir um novo calendário de lutas e reforçar o papel da juventude nas transformações do Brasil’’, falou.
PRIMEIROS APONTAMENTOS
Entre os encaminhamentos da reunião, ficaram decididas como pautas principais da próxima Jornada de Lutas da Juventude Brasileira o plebiscito popular pela reforma política, a democratização da mídia, o fim do extermínio da juventude negra, a desmilitarização da polícia e os 10% do PIB para a educação com foco no combate à mercantilização do setor, problema em evidência nas últimas semanas em razão do descredenciamento das instituições Gama Filho e UniverCidade.
‘’Hoje, os empresários do setor educacional são os que mais lucram no Brasil. Não podemos deixar que a lógica de capital aberto dessas instituições que faz com que o único compromisso de seus dirigentes seja o retorno de lucro para seus investidores passem por cima de uma educação de qualidade conectada com os interesses do país’’, enfatizou a presidenta da UNE.
Uma próxima reunião será realizada no dia 6 de fevereiro, na sede das entidades estudantis. O objetivo é que os movimentos presentes se preparem para a assembleia do dia 16 de fevereiro, em Brasília, que definirá os encaminhamentos das manifestações.
Fonte: UNE

A EDUCAÇÃO DO CAMPO SERÁ DISCUTIDA NA CONAE

Houve o fechamento de 37 mil escolas do campo nos últimos anos, para cada 100 escolas que fecharam, uma abriu. Segundo educadora, cenário da educação no campo é desanimador
“A escola estar no campo, além de um direito, é a garantia de um espaço fundamentador de debates, de aprofundamentos e de construção coletiva”, diz educadora.
O eixo II do documento de referência da Conferência Nacional da Educação (Conae) 2014 trata de Educação e Diversidade: Justiça Social, Inclusão e Direitos Humanos. É neste eixo que são apontadas questões sobre ações afirmativas em relação à garantia do acesso, da permanência e do direito à aprendizagem aos grupos historicamente excluídos. De acordo com o documento, políticas públicas existem, o que é necessário é a concretização das mesmas, junto à efetivação Plano Nacional da Educação (PNE), bem como a ampliação do financiamento, a efetivação do regime de colaboração entre os entes federados e maior articulação entre os sistemas de ensino, incluindo a instituição do Sistema Nacional de Ensino (SNE).
A educadora Maria Cristina Vargas, uma das representantes do coletivo nacional de educação do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) na Conae explica, nessa entrevista, como a educação no campo é discutida nesse espaço, além de detalhar quais são as necessidades dos trabalhadores do campo em relação à educação. De acordo com ela, o cenário hoje é desanimador: até agora são 37 mil escolas fechadas e uma proporção de uma escola construída para cada 100 fechadas, e é no campo onde está concentrada a maior taxa de analfabetos do país. Confira:
Como é a discussão da educação no campo na Conferência da Educação?
Nós teríamos que pensar esse momento político como importante participação da população nas discussões da educação. O que nos preocupa é que mesmo sendo um processo que foi desenvolvido por meio das conferências municipais e estaduais, a participação dos trabalhadores do campo ainda é muito limitada. Pela forma que é conduzida essa preparação, que impões vários limites se restringindo à comunidade escolar, aos educadores, o que é muito importante, mas essa importância não nega a ampliação de outros atores sociais.
E como é durante o evento e os resultados dos anteriores?
Em relação aos pontos da educação no campo, a Conae ainda não é o espaço que a gente vai conseguir o diálogo necessário. Da última Conae [em 2010] até agora, pouca avançou. Avançamos em relação aos marcos regulatórios, como o decreto [7.542, de novembro de 2010, que dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA.], que leva em consideração a educação do campo. Mas, o problema está no sistema do nosso país que, por serem estados e municípios os responsáveis principalmente pela educação básica, não chega na efetivação destes programas. E sabe por quê? Porque nosso sistema de governo está voltado para o agronegócio. Se o agronegócio tem como principal objetivo a produção em grande escala, para exportação, e não a produção de alimentos, ele pensa quanto menos gente no campo, melhor. Já a agricultura camponesa é o contrário, garante mais gente no campo e mais produção de alimentos, então a questão das políticas públicas também é maior como mais escolas, políticas de saúde, infraestrutura de moradia. Não adianta ter um decreto se não tem vontade política de efetivação.
Como está a realidade da educação no campo hoje?
A realidade que temos hoje é de fechamento de 37 mil escolas do campo nos últimos anos. De 100 escolas que fecharam, uma abriu. São dados que demonstram como está a política de educação no campo nos estados e municípios. Construir escolas no campo não dá visibilidade, não dá retorno de popularidade aos prefeitos e governadores. Por outro lado, temos que reconhecer que as escolas que abriram são bem estruturadas, uma conquista das comunidades que exigiram essas escolas, mas não atende a necessidade de escolarização de populações do campo. Hoje as matrículas dessas crianças das 37 mil escolas foram feitas na cidade. O jovem fica no campo até quando tem escola, no momento que não tem mais esse direito básico, que é a educação, ele tem que se deslocar ou parar de estudar. Além disso, a maior parte do que é oferecido no campo é o ensino fundamental, o ensino médio está longe de chegar perto do que é preciso. A escola tem que estar próxima do estudante. O convívio e o aprendizado tem que se dar junto a sua comunidade.
O que alegam para fechar uma escola?

No Brasil, um dos principais motivos que as prefeituras alegam – principalmente, porque são os municípios os responsáveis pelo ensino fundamental – é a questão financeira, que não é possível manter uma escola com poucos alunos, e preferem financiar os transportes escolares. No caso nosso, a gente não é contra o transporte escolar, mas que seja intracampo, pode até ter uma nucleação das escolas, se for importante e discutido com a comunidade que é bom aglutinar as crianças, mas por que essa nucleação não pode ser no campo, de maneira a organizar geograficamente para que ela fique no campo? Já que a escola mais distante fica inviável seguindo essa lógica, de que é melhor sustentar uma escola maior do que uma menor, por que não organizar ali mesmo no campo? Outra é a formação de professores, principalmente no segundo segmento do ensino fundamental e do ensino médio, porque esses períodos exigem profissionais qualificados em cada área, então isso amplia a quantidade de professores, nesse caso, principalmente no segundo segmento, poderia ter nucleação.

Qual é a realidade dos educadores no campo?

Os movimentos têm investidos na formação e na ampliação da quantidade de professores que possam trabalhar no campo, de preferência que sejam jovens e/ou sujeitos do próprio campo. Mas isso não impede, claro, de não tendo essa população que mora ali próximo da escola, que venham pessoas de outras regiões com uma formação que ajude a compreender a realidade do lugar. Essa é uma luta constante, de ampliar o acesso à Universidade, enfim, é a cada dia uma conquista específica de cada lugar.
Como é a educação no campo e relação ao sistema tradicional que é imposto, como os materiais didáticos etc.?
A educação tradicional relata o camponês como o jeca ou um lugar romantizado com a relação com a natureza e não como um lugar de trabalho e cultura. O que temos lutado também é que possamos mudar essa realidade na formação.  Os estudantes do espaço urbano também precisam ler o campo com a sua realidade, com um entendimento mais amplo. Os materiais didáticos que são utilizados no campo e na cidade têm de demonstrar a realidade camponesa para que  todos possam compreendê-la.

Qual é a importância dos trabalhadores estudarem no campo, além da proximidade, de ficar perto de casa? O MST tem uma pedagogia da alternância, que é dividir o tempo-escola e tempo-comunidade. Que diferença isso faz?

A alternância é uma prática desenvolvida principalmente para a realidade camponesa, até para garantir o estudo, porque ele pode ficar um período na escola e outro na sua comunidade, desenvolvendo as práticas, e trabalhar muito a teoria e prática, e teoria para refletir. Mas, a defesa das escolas no campo, além de garantia de um direito, que é o da educação, é que a escola na realidade camponesa se comporta como um coração dessa comunidade, porque ela está mostrando que ali naquele lugar é um espaço de direito. A concepção de campo que foi desenvolvido pelo sistema é de que aquele lugar de trabalho, e não de formação cultural do sujeito. Nesse sentido, a escola estar no campo, além de um direito,  é a garantia de um espaço fundamentador  de debates, de aprofundamentos e de construção coletiva. A presença da escola é um reconhecimento desta comunidade. Assim como outras políticas públicas devem estar. O fato de ter médico no campo é muito importante também.
Diante dessa realidade, com diferentes demandas, quais serão as pautas nesta Conae?
As discussões que a gente tem feito nos fóruns da educação no campo são, entre tantas outras, a questão da construção das escolas e a parada imediata de fechamento de escolas. A gente tem também outra fundamental que é a de formação de professores. Mas tem uma que é mais invisível e que é um descaso do Estado, que é a alfabetização de jovens e adultos. É no campo onde está concentrado o maior número de jovens que não teve acesso à leitura e à escrita. E para nós isso é um dever desse Estado e não andar a passos lentos como está acontecendo agora. Em torno de 28% da população analfabetos se concentra no campo.

Do Brasil de Fato
UBES

INEP DIVULGA AS NOTAS MÁXIMAS DO ENEM

Saiba quais foram as médias de cada área de conhecimento do Exame
As notas máximas e mínimas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013 já estão disponíveis. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), as notas correspondem ao menor e ao maior desempenho de todos os participantes do exame e não podem ser comparadas ano a ano ou mesmo entre as áreas de conhecimento. No ano passado, mais de 5 milhões de estudantes fizeram o Enem.
Em matemática e suas tecnologias, a nota máxima foi 971,5. Nessa área, o menor desempenho alcançou 322,4 pontos. Ciências da Natureza registrou a nota máxima de 901,3 e a menor foi 311,5. Já em Ciências Humanas, o desempenho máximo chegou a 888,7 e o mínimo ficou em 299,5. A prova de linguagens e códigos teve como nota mais alta 813,3 pontos e a menor pontuação ficou em 261,3.
As pontuações seguem a Teoria de Resposta ao Item (TRI). O modelo funciona da seguinte forma: o valor de cada uma das questões vai variar de acordo com o percentual de acertos e erros de estudantes naquele item. Ou seja, um item que teve alto índice de acertos será considerado fácil e, por essa razão, valerá menos pontos na composição da nota final. Já o estudante que acertar uma questão que teve um alto índice de erros ganhará mais pontos pelo item.
No sistema da TRI, a nota mínima não é 0 e a nota máxima não é 1.000. O participante que deixa a prova em branco ou erra todas as questões da prova recebe a nota mínima correspondente ao seu caderno de prova. Para explicar o sistema, o Inep criou o guia Entenda a Sua Nota no Enem, que pode ser baixado no site da entidade.
A nota do Enem pode ser usada para a participação em programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que seleciona estudantes para vagas no ensino superior público; o Programa Universidade para Todos (ProUni), que oferece bolsas em instituições privadas; e o Sistema de Seleção Unificada do Ensino Técnico e Profissional (Sisutec), que seleciona estudantes para vagas gratuitas em cursos técnicos.
Os estudantes também precisam da nota do Enem para firmar contratos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e para a obtenção de bolsas de intercâmbio do Programa Ciência sem Fronteiras.
Fonte: UBES

COMEÇA NESTA SEXTA-FEIRA, 31 , MATRÍCULAS PARA A SEGUNDA CHAMADA

Os candidatos convocados para a Segunda Chamada do Sistema de Seleção Unificada – SiSU devem ficar atentos para o período de matrículas, que começa nesta sexta-feira, dia 31 de janeiro, na Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), e segue ainda pelos dias 3 e 4 de fevereiro (segunda e terça-feira), das 8h às 18h.
Os candidatos nomeados na lista de convocação devem comparecer aolocal portando cédula do RG, CPF, Título Eleitoral e Comprovante de votação na última eleição ou certidão que não possui débitos junto ao TRE; Certidão de Nascimento ou casamento; duas fotos 3x4 iguais e recentes; Certificado de Conclusão de Ensino Médio e Histórico Escolar Completo; Carteira de Reservista Militar (para homens); e, para os cotistas, todos os comprovantes exigidos

Assessoria de Comunicação da UFERSA

Postado por Sociedade Ativa

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

SINTE/RN: CATEGORIA DA REDE ESTADUAL DEFLAGA GREVE EM ASSEMBLEIA GERAL

Categoria da rede estadual deflagra greve em assembleia geral

Os trabalhadores da rede estadual deflagraram greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembleia geral da categoria realizada na manhã desta terça-feira (28). O motivo para a paralisação é o descumprimento por parte do governo dos acordos firmados em 2013.
“Não há mais espaço para promessas”, declarou a coordenadora geral Fátima Cardoso. “Corremos muito atrás, buscamos sempre o diálogo, mas só recebemos promessas e com o tempo vimos que não passava disso”, lembrou.
A greve foi deflagrada no primeiro dia do ano letivo de 2014 porque no ano passado, após outra paralisação, o governo firmou um acordo com a categoria e não cumpriu. Em agosto, reeditou o combinado, mas até agora nada foi cumprido.
A SEEC foi notificada diversas vezes pelo Sindicato, mas somente nesta segunda-feira (27), na iminência da deflagração da greve, chamou a direção para uma audiência. A secretária Betânia Ramalho não compareceu e enviou o secretário adjunto para uma conversa que não avançou nas reivindicações. O governo se comprometeu apenas a pagar o terço de férias no próximo pagamento e a reajustar o piso salarial em fevereiro com retroativo a janeiro, o que é uma obrigação do estado prevista em lei.
Enquanto a propaganda oficial do governo mostra que está tudo certo, as escolas da rede estadual continuam sucateadas e se deteriorando, o número de professores é insuficiente para a demanda, falta suporte pedagógico e os profissionais estão insatisfeitos com as péssimas condições de trabalho e com o descaso. Mesmo diante do clamor de pais e estudantes diversas escolas foram fechadas nos últimos anos.
Após várias tentativas, só restou à categoria deflagrar a greve. O SINTE/RN convocou a categoria para cruzar os braços e exigir respeito. Na assembleia foi definido ainda um cronograma de atividades que serão desenvolvidas durante a greve.
Pauta de reivindicações
•Revisão do Plano de Carreira do Magistério
•Pagamento de uma Letra para os professores
•Redimensionamento do porte das escolas e gratificação dos diretores
•Modificação da portaria 731/2003
•Permanência da Letra quando da Promoção Vertical
•Mecanismo de Concessão de Licenças-prêmios
•Ajuste do déficit na correção salarial de 2013
•Complementação na base salarial dos funcionários da educação
•Convocação dos concursados
Fonte: SINTE/RN

FNE comunica adiamento da CONAE 2014

O Fórum Nacional de Educação - FNE, comunicou por meio de nota pública o adiamento da CONAE 2014 para o período de 19 a 23 de novembro de 2014, por decisão administrativa do Ministério da Educação – MEC. A etapa nacional seria realizada do dia 17 a 21 de fevereiro.
Confira a  20ª NOTA FNE sobre o adiamento da CONAE 2014:
Brasília, 24 de janeiro de 2014.
O Fórum Nacional de Educação – FNE reunido em Brasília, dia 24 de janeiro de 2014, vem a público informar e lamentar o adiamento da 2ª Conferência Nacional de Educação. Tal fato ocorre por decisão administrativa do Ministério da Educação – MEC.
Este Fórum, com as contribuições e os trabalhos dos Fóruns Estaduais, Municipais e Distrital de Educação, cumpriu com todas as etapas necessárias para a realização da etapa nacional da CONAE 2014, no período de 17 a 21 de fevereiro.
Reconhecemos o prejuízo desta postergação, dada à tramitação do PNE no Congresso Nacional e toda a preparação vivenciada no ano de 2013, apresentando várias propostas que foram incorporadas no texto referência, frutos dos debates nas Conferências Municipais, Intermunicipais, Estaduais e Distrital.
Diante do exposto o FNE convoca a etapa nacional da CONAE 2014 para o período de 19 a 23 de novembro de 2014, e conclama os Fóruns, as entidades, e movimentos sociais, os delegados e delegadas a continuar o processo de mobilização para o aprofundamento dos temas da CONAE e em defesa da educação pública.
Assinam:
Coordenador Nacional do Fórum Nacional de Educação - FNE

Entidades presentes:
1. Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem);
2. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC);
3. Confederação Nacional da Indústria (CNI);
4. Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE);
5. Confederação Nacional das Associações de Pais e Alunos (Confenapa);
6. Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen)
7. Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif);
8. Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee);
9. Central Única dos Trabalhadores (CUT);
10.Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd);
11. Federação de sindicatos de trabalhadores de Universidades Brasileiras
(Fasubra);
12.Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação (FNCE);
13.Comissão Assessora de Diversidade para Assuntos relacionados aos Afrodescentes (Cadara);
14.Campanha Nacional pelo Direito à Educação;
15.Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag);
16.União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme);
17.União Nacional dos Estudantes (Une);
18.Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT);
19.Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino (Sase/MEC);
20.Secretaria de Educação Básica (SEB/MEC);
21. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi/MEC);
22.Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica 9Setec/MEC);
23. Secretaria Executiva Adjunta (SEA/MEC).
Fonte: FNE

Rosalba e Betânia tentam confundir a população

O despacho feito nesta sexta-feira (24) pela governadora Rosalba e pela secretária Betânia foi uma tentativa de esfriar a decisão a ser tomada na assembleia geral da rede estadual que deflagrará a greve. A matéria divulgada no site do governo trás ainda sutilezas e promessas, como a de pagamento de uma letra a partir de março.
“Não há mais espaço para promessa”, ressalta a coordenadora geral Fátima Cardoso. “O governo Rosalba deve três letras à categoria. Além dos outros pontos prometidos e não implementados desde 28 de fevereiro do ano passado. Estão apenas querendo renovar as velhas promessas, mas cumpri-las é a grande dúvida”, critica.
Para a sindicalista não serão promessas, nem o cumprimento da lei no que se refere à correção salarial ou o pagamento do 1/3 de férias que irão impedir a greve. “Corremos muito atrás, buscamos sempre o diálogo, mas só recebemos promessas e com o tempo vimos que não passava disso”, lembrou.
Enquanto isso, as escolas da rede estadual continuam sucateadas e se deteriorando, o número de professores é insuficiente pra a demanda, falta suporte pedagógico e os profissionais estão insatisfeitos pelas péssimas condições de trabalho e pelo desrespeito do governo.
Ao longo dessa gestão nenhuma sugestão da categoria foi válida. Mesmo diante do clamor de pais e estudantes muitas escolas foram fechadas deixando a comunidade revoltada. Quantos tempos não desabaram e nada foi feito? Nenhuma satisfação foi dada à população e isso incomoda muito a direção do SINTE/RN.
Em meio a esse caos a propaganda oficial do governo mostra que está tudo certo, às mil maravilhas. Uma realidade imaginária e distante de se ver. O Sindicato continuará firme na luta e junto com os profissionais da educação, pais e estudantes conquistará mais vitórias. 

XXIV CONGRESSO NACIONAL DE PÓS-GRADUANDOS SERÁ NO RIO DE JANEIRO

A cidade maravilhosa receberá os pós-graduandos em maio para mais um CNPG
De 1 a 4 maio, no Rio de Janeiro, pós-graduandos de todo o Brasil estarão reunidos para o XXIV Congresso Nacional de Pós-Graduandos (CNPG). A expectativa é reunir mais de 1000 pós-graduandos, além de pesquisadores e autoridades políticas e científicas, em torno do tema: Valorização da Ciência e dos Pesquisadores.
A presidenta da ANPG, Luana Bonone, destaca que o momento é propício para as discussões sobre os direitos dos pós-graduandos e mais financiamento para Ciência e Tecnologia.
“Realizaremos um congresso grande e ao mesmo tempo qualificado. As opiniões dos pós-graduandos do Brasil inteiro vão trazer ainda mais corpo e força para as reivindicações da ANPG”, disse.
Mostra científica, grupos de discussão, mesas de debates e eleição da nova diretoria da ANPG compõem a programação. 
CONVOCAÇÃO PARA A REUNIÃO DA DIRETORIA PLENA DA ANPG
Todos os pós-graduandos também estão convidados à participar da Reunião da Diretoria Plena da ANPG, em São Paulo no dia 23 de fevereiro. Divulgaremos o local exato e horário nos próximos dias.
Lembrando: a reunião é aberta e todos os pós-graduandos e todas as APGs podem participar.
SERVIÇO:
>>XXIV Congresso Nacional de Pós-Graduandos
Data: 1 a 4 de maio de 2014
Local: Rio de Janeiro (RJ)
>>Reunião da Diretoria Plena da ANPG
Data: 23 de fevereiro de 2014
Local: São Paulo (SP)
*aberta a todos os pós-graduandos
Da Comunicação ANPG

ESPORTE UNIVERSITÁRIO JÁ TEM DE COMPETIÇÕES EM 2014

62º edição dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) está entre os destaques deste ano
A Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU) divulgou o calendário oficial para as competições de 2014. Quatro torneios internacionais da Federação Internacional de Desporto Universitário (FISU) serão realizados no Brasil e onze etapas da Liga do Desporto Universitário (LDU). O destaque também será a 62º edição dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs), com sede em Aracajú (SE).
“O ano passado foi marcado por muitas conquistas alcançadas pela CBDU, o retorno e sucesso do JUBs, a atribuição de Brasília como cidade-sede da Universíade de verão em 2019 e a participação do Brasil nas Universíades de Kazan e Trentino. Em 2014, vamos nos empenhar para quebrar o recordes de participações nas competições nacionais e lutar para que cada vez mais o esporte universitário seja reconhecido e valorizado no Brasil”, destacou Luciano Cabral, presidente da CBDU e vice-presidente da FISU.
O Brasil inicia sua participação nos campeonatos da FISU com o Mundial de Triathlon, no dia 20/04, na cidade de Brasília, no Distrito Federal. No total serão dezessete competições internacionais, sendo quatro delas no Brasil (Triathlon – Brasília (DF), Rugby 7 – São José dos Campos (SP), Basquete 3 x 3 – Salvador (BA) e Beach Games – Florianópolis (SC).
Pela Liga do Desporto Universitário alunos – atletas de todas as regiões do Brasil disputam onze etapas nacionais da LDU ( Finais de Quadras, Lutas, Xadrez , Rugby 7 ,Basquete 3×3, Futebol, Futebol 7 society, Jogos de praia, Tênis) e duas etapas regionais da LDU de Quadras (N/NE e S/SE/CO).
De 02 a 27/02, o Departamento Técnico da CBDU realiza as reuniões para definir os regulamentos das competições da temporada, a serem divulgados para todas as Federações Universitárias Estaduais (FUES) e Instituições de ensino (IES) do país.
Confira o calendário aqui.
Da Redação com CBDU
Foto:Tílias News 
Fonte: UNE